1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Mensalao

Juíza autoriza transferência de Dirceu da Papuda para iniciar trabalho externo

MARIÂNGELA GALLUCI - Agência Estado

01 Julho 2014 | 18h 30

Magistrada da Vara de Execuções Penais determinou que ex-ministro da Casa Civil seja levado imediatamente ao Centro de Progressão Penitenciária, de onde poderá sair para trabalhar

Brasília - A juíza Leila Cury, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, determinou na tarde desta terça-feira, 1, a transferência imediata do ex-ministro José Dirceu do complexo penitenciário da Papuda, em Brasília, para o Centro de Progressão Penitenciária (CPP) - também localizado na capital federal -, que abriga detentos autorizados a trabalhar fora da cadeia. 
 
Com a medida, o ex-chefe da Casa Civil pode ser transferido a qualquer momento e,assim que sua mudança for concluída ele poderá iniciar o trabalho externo ao qual foi autorizado pelo Supremo Tribunal Federal. Os presos na Papuda não podem exercer trabalho externo.
 
No despacho, a juíza afirma que a oferta de emprego a Dirceu já foi devidamente analisada pela seção psicossocial da Vara de Execuções Penais e o Ministério Público deu parecer favorável à proposta. Dirceu foi condenado pelo Supremo a 7 anos e 11 meses de prisão no processo do mensalão.

José Patrício/Estadão
Ex-ministro da Casa Civil pode ser transferido para o Centro de Progressão Penitenciária a qualquer momento

 
Dirceu vai trabalhar no escritório do advogado José Gerardo Grossi e receberá um salário mensal de R$ 2,1 mil. O presidente do STF, Joaquim Barbosa, havia recusado um pedido de Dirceu para trabalhar nesse escritório. Para Barbosa - que participou nesta terça-feira de sua última sessão na Corte antes da aposentadoria -, a oferta de trabalho seria, na verdade, uma arranjo entre amigos. 
 
Na semana passada, entretanto, o plenário do STF derrubou tal decisão e autorizou Dirceu a trabalhar no escritório de Grossi. Dentre os clientes atendidos pelo escritório de advocacia estão o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-deputado federal e réu no mensalão mineiro, Eduardo Azeredo, do PSDB.

Mensalao

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo