1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Juiz envia ao STF citações a senadores em caso de 'compra' de MPs, mas mantém ação na 1ª instância

- Atualizado: 04 Fevereiro 2016 | 15h 04

Polícia Federal encontrou registros sobre suposto pagamento de propinas a Renan Calheiros, Romero Jucá, e ao ex-senador Gim Argello em diário de um dos investigados na Operação Zelotes

BRASÍLIA - O juiz Vallisney de Souza Oliveira decidiu nesta quinta-feira, 4,  manter ação penal que apura a suposta "compra" de medidas provisórias editadas pelo governo federal na 10ª Vara da Justiça Federal, em Brasília. O magistrado, no entanto, decidiu enviar informações dos autos para análise do Supremo Tribunal Federal (STF). As defesas dos réus argumentam que o caso é de competência da corte suprema, devido à menção a possíveis irregularidades cometidas por congressistas.

No diário de um dos investigados na Operação Zelotes, João Batista Gruginski, a Polícia Federal encontrou registros sobre suposto pagamento de propinas aos senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Romero Jucá (PMDB-RR), além de ao ex-senador Gim Argello (PTB-DF). Em depoimento, o investigado reafirmou que, numa reunião, o lobista Alexandre Paes dos Santos, o APS, um dos réus da Zelotes, disse que os três haviam negociado pagamentos de R$ 45 milhões, sendo R$ 15 milhões para cada um, em troca de aprovar emendas de interesse de montadoras de veículos. Essas provas foram colhidas em inquérito da Polícia Federal que foi anexado à ação penal em curso na 10ª Vara.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL)

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL)

Os três políticos negam irregularidades. Atualmente preso, APS foi questionado pelo Estado durante uma audiência na Justiça e disse que não fez a afirmação.

Por lei, congressistas só podem ser alvos de inquéritos criminais perante o STF. Vallisney entendeu que o caso é de competência da primeira instância, na 10ª Vara, mas determinou a remessa do depoimento de Gruginski e de outros documentos sobre o episódio ao STF. Caberá à corte suprema analisar os papéis e, eventualmente, decidir se cabe avocar o caso.

Em ofício, o delegado Marlon Cajado, da Zelotes, argumentou que não há elementos suficientes, por ora, para remeter o caso ao STF. "A nosso ver, se trata de única menção de nome de parlamentares cuja corrupção em princípio não encontra amparo em outros documentos juntados aos autos, o que denota a prática de mais um crime de tráfico de influência atribuível aos acusados", justificou.

Cajado não descartou, contudo, o envio da investigação à "instância adequada", caso seja necessário.

As defesas também pediram o trancamento do inquérito que cita os parlamentares. O Ministério Público ainda vai se pronunciar a respeito para posterior decisão do juiz.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX