1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Juiz determina que governo do Rio pague servidores sem atraso

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 18h 44

Em caso de descumprimento da ordem judicial, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) terá de pagar multa de R$ 50 mil por dia

RIO - O juiz da 8.ª Vara de Fazenda Pública do Rio de Janeiro, Leonardo Grandmasson Ferreira Chaves, determinou nesta quinta-feira, 28, que o governo do Estado cumpra o calendário regular de pagamentos dos servidores públicos e quite todos os salários até o último dia útil do mês trabalhado - os salários de janeiro têm de ser depositados, portanto, nesta sexta-feira.

Em caso de descumprimento da ordem judicial, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) terá de pagar multa de R$ 50 mil por dia de atraso nos pagamentos. O magistrado também ordenou que o Estado pague de uma só vez, no próximo vencimento, todos os valores ainda pendentes do 13° salário, sob pena de multa de R$ 300 mil ao governador.

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB)

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB)

A decisão atende ação civil pública ajuizada pela Federação das Associações e Sindicatos dos Servidores Públicos do Estado do Rio de Janeiro. Em razão das dificuldades financeiras, em dezembro passado o governo estadual do Rio anunciou que passaria a pagar os salários dos servidores ativos e inativos no sétimo dia útil do mês seguinte.

Os salários de dezembro foram pagos em 12 de janeiro, e a previsão era que os salários de janeiro fossem pagos em 11 de fevereiro. Com a ordem judicial a situação pode ser alterada. O governo ainda não se pronunciou sobre a decisão. O juiz reconheceu a precária situação econômica do Rio de Janeiro e ressaltou a discrepância nas escolhas administrativas feitas pelo governo.

Ferreira Chaves citou o repasse de verbas a empresas privadas para quitação de dívidas; os gastos com publicidade e com reformas nos palácios Guanabara e Laranjeiras; o desconto de IPVA para as empresas concessionárias de ônibus, cuja lei foi declarada inconstitucional pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio; a concessão de isenções fiscais e o descarte de materiais cirúrgicos novos que se encontravam abandonados no depósito da Secretaria Estadual de Saúde.

"Todos os fatos são notórios e foram divulgados recentemente pela mídia. (...) Após a farra com os gastos públicos decorrentes do excepcional momento que o Estado vivia com a arrecadação dos royalties, (o Estado) pretende que o servidor pague as contas mediante o atraso no pagamento de verba de natureza alimentícia. (...) O momento é de priorizar em absoluto os servidores públicos, que não podem ser privados de seus recursos provenientes do salário, dada a natureza alimentar destes", justifica o juiz.

O magistrado destacou ainda que o Tribunal de Justiça do Rio, ciente do grave momento em que o Estado se encontra, emprestou R$ 400 milhões ao Poder Executivo, em dezembro de 2014, e mais R$ 6,9 bilhões, com recursos dos depósitos judiciais, em maio de 2015. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX