1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Jornal português diz que evento com Temer e oposição em Lisboa 'assusta' políticos locais

- Atualizado: 23 Março 2016 | 20h 43

Segundo o 'Público', fato de a maioria dos participantes serem a favor do impeachment da presidente Dilma está colocando em dúvida a participação do presidente de Portugal, Marcelo Rabelo de Souza

BRASÍLIA - O jornal português Público destacou nesta quarta-feira, 23, que o evento que está sendo organizado por um instituto ligado ao ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e que vai reunir o vice-presidente Michel Temer e os principais nomes da oposição brasileira em Lisboa está "assustando" os políticos locais.

O jornal destaca que o fato de a maioria dos convidados para o IV Seminário Luso-Brasileiro de Direito serem nomes que são a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff está colocando em dúvida a participação do presidente de Portugal, Marcelo Rabelo de Souza, que faria o discurso de encerramento do evento.

O vice-presidente Michel Temer e o ministro do STF, Gilmar Mendes, em 2011

O vice-presidente Michel Temer e o ministro do STF, Gilmar Mendes, em 2011

O seminário acontece entre os dias 29 e 31 de março e está sendo organizado pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), em parceria com a Universidade de Lisboa.

Do lado brasileiro, além de Temer e do próprio Gilmar, estão confirmadas as presenças dos senadores tucanos Aécio Neves (MG) e José Serra (SP). O Público diz que o evento tem sido tratado em Portugal como "uma espécie de governo brasileiro no exílio" e destaca a reportagem do Estado que afirma que o encontro tem sido visto por aliados de Dilma como o "prenúncio do arranjo político para derrubar a presidente".

O jornal português destaca que Gilmar foi o ministro do Supremo responsável por suspender a posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro da Casa Civil.

A reportagem diz ainda que a data do seminário coincide com o prazo para a direção nacional do PMDB tomar uma decisão final sobre se desembarca do governo Dilma. Além disso, lembra que no dia 31 de março completam 52 anos do golpe militar que depôs o presidente João Goulart e instaurou a ditadura militar no Brasil.

Procurada, a assessoria de comunicação do IDP afirmou que o presidente de Portugal foi convidado, mas ainda não confirmou a sua presença. O nome dele, porém, está anunciado na programação oficial do seminário. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX