1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Mensalao

João Paulo já tem recursos e não fará 'vaquinha' para pagar multa

Atualizado em 14.02 - Mateus Coutinho e Valmar Hupsel Filho - O Estado de S. Paulo

13 Fevereiro 2014 | 17h 12

Ex-presidente da Câmara recebeu sobras da campanha de arrecadação feita por Delúbio Soares; Dirceu já conseguiu R$ 60 mil dos R$ 971 mil

Após a Vara de Execuções Penais do Distrito Federal determinar o pagamento imediato da multa de R$ 373,5 mil na quarta-feira, 12, o petista João Paulo Cunha divulgou nota em seu site nesta quinta informando que utilizará os recursos excedentes da arrecadação de Delúbio Soares para quitar sua dívida no mensalão.

"Estávamos organizados para efetuar uma arrecadação coletiva, com o recebimento de contribuições financeiras, para ajudar a saldar a multa de quase R$ 372 mil imposta a João Paulo. Entretanto, isso não é mais necessário porque recebemos os recursos a partir de um repasse do excedente da arrecadação coletiva que foi realizada para pagar a multa imposta ao companheiro Delúbio. Este excedente que recebemos é suficiente para saldar a multa de João Paulo, além de todos os tributos adicionais.", diz a nota no site.

Com isso, o petista é o único dos condenados do partido a não lançar uma campanha de arrecadação própria para quitar a multa na Justiça. Na nota, João Paulo ainda agradece às 3.500 pessoas que, segundo o site, teriam doado para José Genoino e Delúbio Soares.

O ex-tesoureito do PT conseguiu arrecadar mais de R$ 1 milhão em menos de duas semanas de sua campanha de arrecadação. O valor é mais do que o dobro de sua multa, de R$ 466 mil. Já a campanha de Genoino arrecadou R$ 760 mil em duas semanas, e parte do recurso foi repassado para Delúbio.

Dirceu. Seguindo a estratégia dos outros petistas condenados no mensalão, a campanha de arrecadação de José Dirceu foi lançada na quarta e já arrecadou R$ 60 mil até a manhã desta quinta-feira.

As iniciativas de arrecadação têm gerado polêmica e, no começo do mês, o ministro do Supremo, Gilmar Mendes, fezdeclarações sugerindo que haveria lavagem de dinheiro nas doações aos condenados. O deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP) chegou a protocolar um pedido na Procuradoria-geral da República para que investigasse as suspeitas de lavagem de dinheiro.

Diante dos pedidos, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, esclareceu que cabe aos Ministério Público de cada Estado apurar as doações, o que, segundo ele, já estaria sendo feito.

Mensalao