1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Jefferson diz que ex-ministro fez negociação

- Atualizado: 14 Fevereiro 2016 | 03h 00

Segundo Jefferson, o então presidente Lula reclamava da proximidade entre Dimas e o então governador Aécio Neves

O presidente de honra do PTB, Roberto Jefferson, que denunciou o mensalão e teve o mandato de deputado federal cassado em setembro de 2005, confirmou ao Estado que negociou, em 2005, com o então ministro da Casa Civil, José Dirceu, o pagamento de R$ 1 milhão por mês ao PTB nacional com recursos que sairiam do esquema que envolvia empresas contratadas por Furnas Centrais Elétricas. 

Em troca, o PTB abriria mão de indicar o diretor de Engenharia da estatal e o cargo continuaria ocupado por Dimas Toledo, nomeado no governo Fernando Henrique Cardoso. Segundo Jefferson, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva reclamava da proximidade entre Dimas e o então governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), e decidira tirá-lo da estatal. 

Jefferson disse ter sido informado por Dirceu que R$ 3 milhões mensais do esquema de Furnas eram distribuídos entre partidos, políticos e executivos da estatal. Então, foi feito um acordo com o ex-ministro para que o PTB nacional passasse a receber o R$ 1 milhão antes destinado ao PT nacional. "Eu disse 'para mim está bom, sem briga, está fechado'. Dimas foi lá em casa, fechou esse acordo comigo", disse Jefferson. 

Jefferson disse ter sido informado por Dirceu que R$ 3 milhões mensais do esquema de Furnas eram distribuídos entre partidos, políticos e executivos

Jefferson disse ter sido informado por Dirceu que R$ 3 milhões mensais do esquema de Furnas eram distribuídos entre partidos, políticos e executivos

No entanto, em reunião no Palácio do Planalto, em abril de 2005, Lula foi surpreendido ao saber por Jefferson que o funcionário de carreira do setor elétrico Francisco Spirandel, escolhido pelo PTB, não seria mais indicado ao cargo graças ao acordo firmado com Dirceu. "Lula disse: 'Não aceito isso, ou vocês nomeiam o Spirandel ou vou exonerar esse Dimas. Eu falei: 'Então o senhor bota o Spirandel lá'".

Jefferson diz que Dirceu, após a reunião, reclamou que o petebista não "bateu o pé" pela permanência de Dimas e essa desavença "desaguou no mensalão". Segundo ele, Dirceu "se vingou", envolvendo-o no esquema de corrupção nos Correios revelado em maio de 2005. Em resposta, Jefferson denunciou o mensalão e acusou Dirceu de comandar o esquema.

A defesa de Dimas repudiou em nota as declarações do "sr. Fernando Moura, por serem absolutamente inverídicas". A defesa de José Dirceu e o Instituto Lula não comentaram as declarações de Jefferson.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX