1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Jaques Wagner diz que 'cabe à PF' saber motivações dos pagamentos a João Santana

- Atualizado: 22 Fevereiro 2016 | 21h 53

Em entrevsita ao Jornal Nacional, o ministro da Casa Civil citou, ainda, a aprovação das contas da campanha da presidente Dilma Rousseff pelo Tribunal Superior Eleitoral

BRASÍLIA - O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, afirmou nesta segunda-feira, 22, que cabe à Polícia Federal explicar os supostos pagamentos irregulares recebidos pelo marqueteiro João Santana, que teve a prisão decretada nesta segunda pelo juiz Sérgio Moro.

"Cabe à Polícia Federal, que está fazendo investigação saber quais foram as motivações dos pagamentos aos quais a própria Polícia Federal se refere e por isso o juiz Moro decretou a temporária do João Santana", disse, ao Jornal Nacional, salientando a aprovação das contas da campanha da presidente Dilma Rousseff pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Mais cedo, o coordenador jurídico da campanha eleitoral da presidente Dilma, Flávio Caetano, divulgou nota afirmando que as empresas do marqueteiro receberam pagamento de cerca de R$ 70 milhões em decorrência dos serviços prestados na campanha presidencial à reeleição de Dilma e que os pagamentos feitos a Santana foram legais "e absolutamente transparente".

Na manhã desta segunda-feira, a Justiça Federal do Paraná decretou a prisão do marqueteiro do PT João Santana na 23ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Acarajé. O inquérito investiga supostos pagamentos a João Santana e sua mulher, Mônica Moura, pela Odebrecht em paraísos fiscais. Na última década, o publicitário se dedicou no Brasil a campanhas do PT. A Polis Propaganda e Marketing assinou a campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2006 e as da presidente Dilma Rousseff, em 2010 e 2014. O publicitário e a esposa estão na Republica Dominicana e devem retornar ao Brasil amanhã.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX