1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Jaques Wagner defende Lula e diz que ex-presidente 'jamais se intimidará'

- Atualizado: 29 Fevereiro 2016 | 14h 49

Ministro da Casa Civil diz em redes sociais que denúncias envolvendo o ex-presidente são injustas; nesta segunda-feira, ele indicou a Dilma nome para substituir o ministro da Justiça no cargo

BRASÍLIA - O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, usou as redes sociais nesta segunda-feira, 29, para fazer uma defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ressaltar que as denúncias envolvendo o nome de Lula são “injustas” e o fortalecerão. A manifestaçõa acontece pouco antes da confirmação da saída do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, do cargo. O substituto dele na função, Wellington Cesar, foi indicado por Wagner a Dilma.

O ministro da Casa Civil Jaques Wagner
O ministro da Casa Civil Jaques Wagner

“O povo brasileiro pode ter certeza de que Lula jamais se intimidará. Em vez de enfraquecê-lo, como esperam seus adversários, os reiterados e injustos ataques dos quais tem sido vítima nas últimas semanas só aumentam a vontade dele de continuar lutando por um Brasil mais justo”, escreveu Wagner. “A verdade é que o maior líder popular do Brasil permanece forte e resiliente.”

O ministro lembrou a participação de Lula na festa de 36 anos do PT neste fim de semana e disse que o ex-presidente está ainda mais motivado e disposto a defender o governo da presidente Dilma Rousseff “e o projeto de inclusão que ele representa.”

Cardozo. Pressionado pelo PT após rumores de que o ex-presidente Lula alvo de quebras de sigilos bancário, telefônico e fiscal no âmbito da Operação Lava Jato, o ministro da Justiça se sentiu injustiçado e resolveu entregar o cargo à presidente Dilma. Nesta manhã, em reunião na qual Jaques participou ficou acertada a ida de Cardozo para o lugar de Luís Inácio Adams na Advocacia-Geral da União (AGU).

Wellington Cesar, que deve assumir o lugar de Cardozo, é x-chefe do Ministério Público da Bahia. O procurador esteve recentemente com Wagner, que tem defendido o currículo considerado “muito bom”.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX