Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Janot recomenda arquivamento de inquérito contra Anastasia no Supremo

Procurador-geral da República viu inconsistências nas provas colhidas contra o senador; investigadores da Lava Jato haviam pedido, em setembro, a continuidade das investigações

Carla Araújo , Agência Estado

28 Outubro 2015 | 11h16

Brasília - A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou novo parecer, na noite desta terça-feira, 27, recomendando ao Supremo Tribunal Federal (STF) que mantenha o pedido de arquivamento do inquérito que investiga eventual ligação do senador e ex-governador Antonio Anastasia (PSDB-MG) com a Operação Lava Jato. A indicação contraria o entendimento da Polícia Federal que, em setembro, havia pedido ao STF a continuidade das investigações envolvendo Anastasia com base em provas colhidas no inquérito aberto pela Corte.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, já havia pedido ao STF o arquivamento da investigação contra o tucano por falta de provas. Mas, segundo investigadores da PF, Janot  tomou essa decisão sem aguardar a conclusão das diligências que haviam sido determinadas pelo ministro Teori Zavascki. Segundo a PGR, esse é um procedimento usual. Mesmo após o primeiro pedido de Janot, o caso ainda não foi arquivado, pois depende de um despacho do ministro Teori Zavascki.

O material enviado pela Polícia Federal ao Supremo tem origem em uma denúncia feita por uma "cidadã comum" ao gabinete da Presidência da República, em janeiro deste ano. A denunciante descreve uma residência na qual um dos mensageiros do doleiro Alberto Youssef teria efetuado um pagamento em dinheiro a um político que a força-tarefa da Operação Lava Jato investiga se é Anastasia.

A denúncia relaciona o endereço descrito pelo ex-policial federal Jayme Alves de Oliveira, conhecido como Careca, preso na operação, para suposta entrega de dinheiro a uma pessoa "parecida" com o tucano, em um imóvel pertencente a um engenheiro de Belo Horizonte.

Mais conteúdo sobre:
operação lava jato anastasia janot

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.