Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Janot pediu abertura de inquérito contra Lindbergh Farias na Lava Jato

Senador do PT do Rio está na lista de investigados que o procurador-geral da República encaminhou ao Supremo Tribunal Federal nesta semana

Beatriz Bulla, Talita Fernandes e Andreza Matais , O Estado de S. Paulo

05 Março 2015 | 14h54

Brasília - O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) está na lista dos políticos que serão investigados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por envolvimento no esquema de corrupção da Petrobrás. O nome do senador está entre os 28 pedidos de abertura de inquérito enviados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao ministro Teori Zavascki, na última quarta-feira. 

Em depoimento de delação premiada, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa disse que trabalhou para o petista na eleição ao governo do Rio de Janeiro no ano passado como arrecadador de recursos de empreiteiras para financiar a campanha. Costa contou aos investigadores da Operação Lava Jato que empreiteiras pagavam propina em troca de contratos com a petroleira. Partidos políticos teriam recebido sua parte no esquema em forma de doações oficiais.

O Estado confirmou que a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), ex-ministra da Casa Civil do governo Dilma Rousseff, também está na lista da PGR com pedido de abertura de inquérito. A procuradoria-geral da República também pediu investigações contra os senadores Edison Lobão (PMDB-MA), ex-ministro das Minas e Energia, e Fernando Collor (PTB-AL). Segundo fontes do Judiciário, Collor teria o maior número de indícios contra si, inclusive com dinheiro do esquema depositado em sua conta corrente. O senador tem influência política na BR Distribuidora, uma subsidiária da Petrobrás investigada no esquema. O Estado revelou nesta quinta-feira que o senador Romero Jucá (PMDB-RR), segundo vice-presidente do Senado, também esta na lista dos que poderão ser investigados. A relação inclui ainda os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (RJ) e do Senado, Renan Calheiros (AL), ambos do PMDB. 

Palocci. Conforme investigadores, o nome do ex-ministro Antonio Palocci não consta dos pedidos de abertura de inquérito e arquivamento enviados ao STF na última quarta. Ele foi citado por delatores do esquema como um dos que arrecadava o dinheiro da propina para o PT. O MPF trabalha no levantamento de mais indícios para apurar o suposto envolvimento dele com as denúncias. 

Mais conteúdo sobre:
Operação Lava Jato Lindbergh Farias PT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.