Jamais pensei em deixar a presidência do Senado, diz Renan

Pressão? Só vocês´, respondeu ao ser questionado por jornalistas se era pressionado

Agencia Estado

21 Junho 2007 | 12h53

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) afirmou nesta terça-feira, 19, em rápida conversa com repórteres, que a idéia de renunciar ao cargo de presidente do Senado "jamais" lhe passou pela cabeça. Pouco antes, sua renúncia ao cargo fora pedida, em plenário, pelo senador gaúcho Pedro Simon, do mesmo partido que Renan. O presidente do Senado falou com jornalistas que o abordaram ao deixar o prédio do Senado, que perguntaram se ele se sentia pressionado a deixar o cargo. Ele disse aos jornalistas: "Pressão? Só de vocês." Após reunião com a cúpula do PMDB, foi discutida a estratégia para tentar aprovar amanhã, na sessão do Conselho de Ética da Casa, o processo em que Calheiros é acusado de falta de decoro parlamentar, numa representação movida pelo Psol. "Tenho absoluta certeza de que a verdade prevalecerá", afirmou Renan. Sobre o senador pesa a suspeita de que a pensão alimentícia à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha, teria sido paga por um lobista da empreiteira Mendes Júnior. O senador argumenta que pagava a pensão com recursos próprios, provenientes de venda de gado da fazenda que possui em Muricy, no Estado de Alagoas. Pedidos O senador Jefferson Péres (PDT-AM), também em aparte a Buarque, agradeceu aos cumprimentos que tem recebido por sua atuação no Conselho de Ética do Senado, onde tem se declarado contrário à proposta de arquivamento do processo contra Renan Calheiros antes de concluída a apuração da denúncia feita contra ele por suposta quebra de decoro parlamentar. "Não é uma tarefa fácil a missão que estou desempenhando", disse Péres, "pois trata-se de um amigo, mas acho que as pessoas públicas devem agir com a razão, e não com o coração. Além disso, a instituição está acima das pessoas." Os partidos de oposição PSDB e DEM (ex-PFL) também pediram o afastamento do presidente do Senado nesta terça-feira. "Seria melhor para todos se o presidente Renan Calheiros renunciasse ou pelo menos pedisse licença do cargo que ocupa. Ele está pensando mais nele próprio do que no Senado e comprometendo a imagem da instituição", disse o líder DEM, José Agripino Maia (RN).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.