Itamaraty afirma que embaixador da Itália é aguardado na posse de Dilma Rousseff

Entretanto, Gherardo La Francesca embarcará para a Itália na próxima semana para prestar informações sobre a não extradição de Battisti

Agência Brasil

31 Dezembro 2010 | 17h22

Mesmo com a decisão contrária à extradição de Cesare Battisti, definida nesta sexta-feira, 31, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o embaixador da Itália no Brasil, Gherardo La Francesca, ainda é aguardado na posse da presidenta eleita, Dilma Rousseff, que ocorre amanhã, 01, à tarde. Segundo informações do Ministério das Relações Exteriores, até o momento, a embaixada italiana não alterou a previsão da participação de La Francesca no evento.

 

Veja também:

linkLula decide não extraditar Cesare Battisti

linkBerlusconi classifica como 'inaceitável' permanência de Battisti no Brasil

 

Entretanto, La Francesca embarcará para a Itália na próxima semana para prestar informações sobre a não extradição. "Está é manifestação de uma grande preocupação do governo italiano. Quando um embaixador é chamado, isso é ato extremo de afronta à soberania. A situação é gravíssima", disse o advogado Nabor Bulhões, que fala em nome da república italiana no Brasil.

 

Bulhões também corrobora a afirmação do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, de que o caso Battisti ainda não chegou ao fim. "A partir da próxima semana, entrarei com impugnação contra o ato do presidente Lula. Volta o ato com outra roupagem, mas com motivação quase idêntica", disse, referindo-se à decisão do então ministro da Justiça, Tarso Genro, que concedeu refúgio a Battisti em janeiro de 2009. Na ocasião, a Itália questionou no Supremo Tribunal Federal (STF) a concessão de refúgio ao ex-ativista.

 

Para Bulhões, a decisão de Genro foi desconstituída após o julgamento do caso no STF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.