Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política » Irmão da presidente, o ex-hippie de Passa Tempo

Política

José Patrício/Estadão

Política

Eleições

Irmão da presidente, o ex-hippie de Passa Tempo

Morador do interior mineiro, Igor Rousseff saiu do anonimato após acusação de ter sido servidor fantasma

0

Diego Zanchetta - Enviado especial a Passa Tempo

27 Outubro 2014 | 00h12

Adepto da filosofia budista e ex-hippie, Igor Rousseff, advogado de 67 anos que agora tenta criar tilápias, é o único irmão da presidente reeleita. Ele mora há quase duas décadas na pequena e bucólica Passa Tempo, cidade no interior de Minas Gerais com cerca de 8 mil habitantes e duas dezenas de cachoeiras. Ontem à noite ele recebia, em sua pequena casa com portão baixo de madeira e um fusca verde na garagem, amigos que entravam sem bater para cumprimentá-lo pela vitória da irmã.

Igor estava com Valquiria Faleiro, de 47 anos, chefe do setor de contabilidade da prefeitura de Passa Tempo, sua mulher desde 2006. Ele voltou no sábado de Brasília para poder votar na irmã. Durante a semana, com Dilma em seus últimos compromissos de campanha, resolveu ficar com a mãe de 91 anos, que está doente, no Palácio do Planalto. Lá assistiu, sozinho em um quarto de hóspede, ao último debate presidencial. Menos de 24 horas depois estava no centrinho de Passa Tempo de chinelos e bermuda, comprando uma caixinha de cervejas no único mercado da cidade.

“Achei que era fantasma e não me enxergavam”, disse ao ser abordado pela reportagem do Estado no fim da tarde de sábado, tentando ironizar as acusações, feitas pela campanha de Aécio Neves (PSDB), de que teria sido funcionário fantasma da prefeitura de Belo Horizonte entre 2003 e 2009. Em seguida, aceitou conceder entrevista exclusiva no “puxadinho” com churrasqueira que construiu no quintal de casa. “Demorei quatro anos pra fazer esse ‘puxado’, pedreiro aqui tá muito caro. Custa R$ 120 por dia de serviço”, contou.

Aposentado há dois anos, Igor busca incrementar a renda com um projeto para tentar entrar no mercado de criação de tilápias. “Tem gente que vende por R$ 50 o quilo do filé da tilápia. Estou com outro colega em um negócio que pode render 300 toneladas (por mês)”, afirma. Antes, ele ocupou funções diversas - já foi desde controlador de voo em São José dos Campos a porteiro de hotel de luxo em Quebec, no Canadá.

Ele garante nunca ter pedido nenhum tipo de favor à irmã dez meses mais nova. E até faz críticas ao papel de guerrilheira de Dilma durante a juventude. “Eu achava errado (ela ir para a luta armada contra a ditadura). Os dois lados (militares e estudantes) estavam errados. Não se ganha nada impondo a violência”, disse o irmão da presidente.

Na mesma época que a irmã militava na clandestinidade, ele morava nos Estados Unidos e estava em contato com líderes do movimento hippie dos anos 70. “Quando eu voltei e ela estava na cadeia, no presídio Tiradentes, eu ia com minha mãe visitá-la.” O irmão diz também que não gostava de Leonel Brizola, o líder político que inspirava Dilma. Enquanto a irmã seguia carreira política dentro do PDT e já era secretária no governo do Rio Grande do Sul, Igor morava em um trailer na Bahia.

Quando a irmã se tornou ministra, em 2003, ele ainda morava no mesmo trailer, em um terreno cedido por um amigo em Passa Tempo, onde acabou construindo sua casa. “Eu sempre gostei mais da iniciativa privada, tive boas oportunidades”, argumenta. Advogado, Igor também cursou jornalismo e história. Fala francês e inglês fluentes.

Ele defende a reeleição da irmã. Mas de jeito nenhum pede votos aos amigos ou faz campanha. Igor sorri quando questionado se dava expediente na prefeitura de Belo Horizonte, entre 2003 e 2009, quando já morava em Passa Tempo. “Esse menino (Aécio Neves) tá exagerando”, afirmou, sorrindo, o adepto da filosofia budista. Ele afirma nunca ter faltado ao serviço enquanto esteve na função de assessor especial da Secretaria de Planejamento. “Eu só voltava aqui (Passa Tempo) nos finais de semana. Sempre fui muito próximo do Fernando (Pimentel, ex-prefeito da capital mineira)”, relata, com voz pausada.

As acusações, porém, revoltam a mulher de Igor e seu filho, o médico cardiologista Pedro Rousseff, de 45 anos, que tem casa de veraneio e consultório em Passa Tempo. Foi o filho quem comprou para o pai a maior parte dos móveis de sua casa. “A gente sempre tá percebendo uma piadinha, uma alfinetada até de quem era nosso amigo. Foi muita calúnia contra meu pai. E meu filho também fica sofrendo bullying na escola em Belo Horizonte por conta disso”, disparou Pedro.

Em meio ao clima de “Fla-Flu” entre petistas e tucanos que também contagiou a pequena cidade mineira, a cunhada de Dilma passou a última semana reclusa. Só saía para trabalhar ou ir à padaria. Na sexta-feira, a reportagem encontrou Valquiria indo pra casa a pé, carregando uma sacola de plástico que tinha ricota caseira e um litro de Sukita. “Foi-se o nosso sossego, que a gente tanto gostava, com essas denúncias todas, o anonimato que o Igor lutou tanto para preservar”, lamentou.

Ufologia. O jeitão simplório e caipira de Igor, nascido e criado na capital Belo Horizonte, o tornou rapidamente querido entre os moradores de Passa Tempo. Ele chegou na cidade pela primeira vez em 1989, acompanhando um amigo que pretendia conhecer o ufólogo Antonio Faleiros. Hoje com 73 anos, o especialista em disco voadores se tornou a pessoa mais próxima do irmão de Dilma na cidade.

“Mas o Igor não acredita em ETs, como o amigo dele. Veio aqui tirar um barato e acabou ficando. Uma vez ele perdeu a carteira na pracinha e menos de cinco minutos depois um rapaz achou e foi devolver. O Igor gostou tanto daquilo, falou na mesma hora que ia morar em Passa Tempo para sempre”, recorda o ufólogo. Faleiro construiu, em 1981, no alto de uma serra de Passa Tempo, o primeiro observatório de óvnis da América Latina. O amigo de Igor queria conhecer o local, por onde passavam à época mochileiros do mundo inteiro. Esse mesmo amigo também mudou para Passa Tempo e mora lá até hoje. Só que Igor perdeu a amizade de mais de 30 anos, no ano passado, após o amigo lhe pedir um favor na prefeitura de Belo Horizonte.

“Ele tem pavor de qualquer pessoa que venha pedir favor a ele por causa da irmã ou pelo sobrenome. Quem fizer isso vai perder a amizade de uma pessoa maravilhosa, simples de tudo. Não adianta, ele não gosta dessa coisa de ‘irmão da Dilma’ de jeito nenhum”, avisa Faleiro sobre o amigo. Foi ele quem arrumou o terreno onde Igor colocou seu trailer quando resolveu se fixar em Passa Tempo.

Outros amigos próximos relatam a fúria de Igor quando alguém tenta se aproximar dele pelo parentesco. Eles também garantem que o irmão de Dilma trabalhava na capital mineira e só voltava para a cidade nos fins de semana. “O pessoal quer que ele traga a Dilma aqui em Passa Tempo. Mas isso não tem cabimento, a cidade não comporta a visita da presidente”, diz o professor Hildeberto de Andrade, de 45 anos. Como Igor, o professor deixou Belo Horizonte há 17 anos para viver no interior. “Ele é muito gente boa e inteligente. Mas não se mete em política”, acrescenta Marlene Aparecida de Andrade, de 57 anos.

Sem drogas. Todos os anos, em janeiro, Igor e a mulher vão com uma turma de 40 pessoas da cidade para a popular praia de Guarapari, no Espírito Santo. Cervejeiro, o irmão de Dilma lamenta que a diabetes tenha limitado o hábito há dois anos. Ele também diz praticar o “desapego” das coisas ao ter adotado a filosofia budista como norte na vida. Sua maior paixão é ir para a praia.

“Sempre fui mais da cerveja, por isso não me aproximei de outras drogas, como a maconha. Mas agora não posso mais beber, só de vez em quando. Quem tem diabetes não pode nada, na verdade”, conta. A mãe de Igor e de Dilma mantém um apartamento da família em Ipanema, no Rio de Janeiro. “No Rio, a gente tem de ir mais para o centro para conseguir comer, porque em Ipanema não dá, né? É tudo muito caro. Um coco custa R$ 6. Eu não pago isso num coco nem se tivesse ganhado na Mega Sena”, afirma o irmão da presidente. “Eu queria mesmo era ficar no Méditerranée da Ilha de Itaparica. Mas, como não tenho dinheiro, vou pra Guarapari mesmo.”

FRASES

“Eu achava errado (Dilma ir para a luta armada contra a ditadura). Os dois lados (militares e estudantes) estavam errados. Não se ganha nada impondo a violência.” - Igor Rousseff, irmão de Dilma

“Esse menino (Aécio Neves) tá exagerando (sobre ser funcionário na prefeitura de Belo Horizonte e morar na cidade de Passa Tempo, interior de Minas).” - Igor Rousseff, irmão de Dilma

“A gente sempre tá percebendo uma piadinha, uma alfinetada até de quem era nosso amigo. Foi muita calúnia contra meu pai. E meu filho também fica sofrendo bullying na escola.” - Pedro Rousseff, filho de Igor

Mais conteúdo sobre:

publicidade