Assine o Estadão
assine

Política

Mirian Dutra

Irmã de Mirian Dutra trabalha com o senador José Serra

Consultora, Margrit Dutra teria de cumprir o horário de nove horas diárias no Senado, mas, segundo o gabinete do tucano, ela não registrava presença no local

0

O Estado de S.Paulo

18 Fevereiro 2016 | 21h44

Atualizada em 19/02 às 09h02

Irmã da jornalista Mirian Dutra - com quem o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso teve um relacionamento extraconjugal nos anos 1990, Margrit Dutra Schmidt trabalha de forma irregular no gabinete do senador José Serra (PSDB-SP). Margrit é contratada pela Liderança da Minoria, está lotada no gabinete do senador e ocupa o cargo em comissão de assistente parlamentar júnior, com remuneração básica de R$ 9.456,13 e salário líquido de R$ 7.353,14 em dezembro de 2015, segundo consta no portal de transparência do Senado Federal.

Pelas regras do Senado, ela teria de cumprir o horário de nove horas diárias na Casa. Contudo, o próprio gabinete do tucano confirmou que ela não registrava presença no local. "Ela trabalha para o senador como consultora. Ele solicita trabalhos e ela produz", disse o chefe de gabinete de Serra, Marcos Köhler. "É uma polêmica artificial. Não é essencial a presença dela. O senador tem discricionariedade para liberar as pessoas de bater ponto". 

Köhler, porém, não explicou por que não foi formalizada a dispensa de ponto de Margrit. Desde 2009, quando houve a crise administrativa no Senado, foi estabelecido que funcionários com regime especial de frequência precisam formalizar a dispensa do ponto.  "De fato, ela não estava incluída entre aqueles servidores que não batem ponto", admite o chefe de gabinete. Serra não se manifestou até o fechamento desta edição.

Segundo informou a assessoria do senador no final da noite dessa quinta-feira, 18, a funcionária não foi dispensada de assinalar o ponto. Ainda de acordo com a assessoria, o chefe de gabinete se confundiu ao relatar a situação de Margrit, que tem uma carreira de mais de uma década como funcionária do Senado.

Comentários