João Ricardo/PTB
João Ricardo/PTB

'Iremos até a última instância possível', diz Padilha sobre Cristiane

Ministro-chefe da Casa Civil afirmou que governo quer fazer valer a escolha do presidente e que espera uma definição do Judiciário

Carla Araújo e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2018 | 22h36

BRASÍLIA - O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse nesta terça-feira, 6, ao Broadcast Político, serviço de informação em tempo real da Agência Estado, que o Palácio do Planalto vai até a "última instância possível" para garantir a posse da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) como nova ministra do Trabalho.

+++ MPF investiga Cristiane Brasil por associação ao tráfico

"Para nós, do governo, a nós nos interessa é uma decisão do Supremo Tribunal Federal. A questão Cristiane é problema do PTB. Eles indicaram, nós abraçamos", disse Padilha, depois da solenidade de posse do ministro Luiz Fux como novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília. "Queremos fazer valer a escolha do presidente, porque não dá para confundir uma decisão política, que é exclusiva do presidente (Michel Temer), a Constituição garante a ele (essa atribuição), e só ele pode escolher ministros. Nós não podemos admitir que isso seja truncado. Queremos uma definição do Judiciário, nós iremos até a última instância possível."

+++ Áudio indica coação de Cristiane Brasil a servidores

A posse de Cristiane foi suspensa após decisão da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia.

+++ Roberto Jefferson diz que 'estão tentando destruir' vida de Cristiane Brasil

Inquérito

Conforme informou o Estado no último sábado, 3, Cristiane é alvo de um inquérito policial que apura suspeitas de tráfico de drogas e associação para o tráfico durante a campanha eleitoral de 2010. A investigação foi enviada à Procuradoria-Geral da República, em Brasília, porque ela dispõe de foro privilegiado.

Para o advogado de Cristiane, André Miranda, o inquérito que investiga sua cliente tem como base uma denúncia "apócrifa", sem fundamentos.

Padilha não quis comentar a acusação contra a parlamentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.