1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Integrante do Conselho de Ética diz haver deputados que 'votam com o bolso'

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 20h 26

Nelson Marchezan Júnior (PSDB-RS) afirmou, durante reunião do colegiado, haver muitos parlamentares corruptos que representam parcela da sociedade

BRASÍLIA - Um dos parlamentares que votam pela continuidade do processo por quebra de decoro do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o tucano Nelson Marchezan Júnior (RS) disse durante a sessão do Conselho de Ética desta tarde que há deputados que votam de acordo com os interesses de seu bolso.

"Muitos parlamentares aqui são corruptos e votam com o bolso. Somos aqui a representação da sociedade que tem a sua parcela de corruptos representada", afirmou. Para o parlamentar, há grupos no colegiado - ligado ao PT - que têm interesse que Cunha permaneça sob os holofotes da imprensa, os que defendem o peemedebista e os parlamentares que gostam de ter espaço na mídia.

Deputado Nelson Marchezan Júnior (PSDB-RS)
Deputado Nelson Marchezan Júnior (PSDB-RS)

Marchezan cobrava celeridade na leitura e votação do relatório de Marcos Rogério (PDT-RO). "Votem como quiserem, votem por qualquer interesse, mas votem", apelou.

O parecer de Marcos Rogério só será apresentado amanhã, 17. A expectativa é que ele inclua os aditamentos apresentados por PSOL, Rede e a participação da deputada Clarissa Garotinho (PR-RJ) nos novos documentos. No adendo, os partidos acrescentaram informações da delação premiada do lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano. Em depoimento gravado, Baiano revelou que frequentou a casa de Cunha. O partido também levantou a suspeita de que o peemedebista possa ter cinco contas no exterior, até o momento desconhecidas das autoridades brasileiras.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX