1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Instituto de Gilmar Mendes reúne Temer e líderes do impeachment em Portugal

- Atualizado: 23 Março 2016 | 07h 50

Lideranças petistas e governistas avaliam que evento é um pretexto encontrado pelo ministro para reunir alguns dos principais líderes do movimento pró-impeachment em momento de extrema fragilidade de Dilma

Em 29 de março, quando o PMDB deve formalizar seu desembarque do governo Dilma Rousseff em meio ao processo de impeachment no Congresso, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) deve se reunir com alguns dos principais defensores do impedimento de Dilma em um seminário promovido pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), que tem o ministro do STF Gilmar Mendes como sócio-fundador, em Portugal. Integrantes do governo tem tratado o encontro como prenúncio do arranjo político para derrubar a presidente.

O vice-presidente Michel Temer e o ministro do STF, Gilmar Mendes, em 2011

O vice-presidente Michel Temer e o ministro do STF, Gilmar Mendes, em 2011

O IDP realiza entre os dia 29 e 31 de março, em Portugal, em parceria com a Universidade de Lisboa, o IV Seminário Luso-Brasileiro de Direito. Segundo o site do IDP, estão confirmadas as presenças de Temer, dos senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e José Serra (PSDB-SP), do presidente do Tribunal de Contas da União, Aroldo Cedraz, do também ministro do STF Dias Toffoli além do próprio Gilmar Mendes.

Lideranças petistas e governistas avaliam que o evento é um pretexto de Gilmar para reunir alguns dos principais líderes do movimento pró-impeachment em um momento de extrema fragilidade de Dilma Rousseff. Os únicos governistas convidados são o senador Jorge Viana (PT-AC) e o ex-advogado-geral da União Luiz Inácio Adams.

Entre os patrocinadores do evento estão a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), entidade que tem dado apoio às manifestações de rua pela saída de Dilma, a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Sistema “S” do Rio de Janeiro e a estatal Itaipu Binacional.

“Esse enredo do golpe está na boca dos petistas. Não há golpe algum. Trata-se de um encontro institucional entre duas nações amigas”, afirma o deputado Mendonça Filho (DEM-PE), líder da oposição na Câmara.

Convidado a participar do seminário, Aécio confirmou ontem que conversou com o vice-presidente da República, quando fizeram conjunturas sobre um futuro governo. O tucano, entretanto, afastou a possibilidade de o PSDB participar do governo Temer ocupando cargos, diferentemente do que demonstrou José Serra (PSDB-SP) em entrevista ao Estado.

“Tive uma longa conversa com Michel Temer. Uma conversa republicana em que avaliamos os cenários que estão a nossa frente. É muito natural que os presidentes dos dois maiores partidos brasileiros conversem em um momento como esse”, afirmou.

Aécio também disse que o PSDB não tem benefícios com um impeachment. “Ao contrário, quem eventualmente assumirá o governo é quem participou deste governo.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX