1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Insatisfeita com Dilma, base aliada planeja isolar PT

EDUARDO BRESCIANI E DAIENE CARDOSO - Agência Estado

21 Fevereiro 2014 | 08h 49

A insatisfação da base aliada na Câmara com o governo Dilma Rousseff movimentou na noite de anteontem o bloco H da quadra 302 da Asa Norte, bairro nobre de Brasília. Enquanto no 3.º andar lideranças de nove partidos discutiam a formação de um "centrão" para isolar o PT, no 1.º andar petistas reclamavam do governo. Com um encontro casual no elevador, participantes das reuniões se misturaram e as queixas foram dirigidas a um único endereço: o Palácio do Planalto.

A articulação de partidos da base contra o PT foi liderada pelo presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN), e representantes dos governistas PMDB, PP, PSD, PR, PDT, PTB, PSC e PROS, além do oposicionista SDD. A intenção é montar um bloco nos moldes do "centrão" que se formou em 1987, na Constituinte - e que, no caso, defendia posições de centro-direita -, para conduzir as votações independentemente da vontade do governo. "É como se fosse a base, sem PT e PC do B, se unindo para valorizar a Câmara", disse o líder do PMDB, Eduardo Cunha (RJ). "Queremos que o governo deixe a Câmara trabalhar", disse o líder do PSD, Moreira Mendes (RO).

Os parlamentares reclamam da falta de interlocução política, da presidente aos ministros. Afirmam que sofrem para conseguir marcar audiências até com secretários dos ministérios. Dizem ainda que deputados petistas teriam "informação privilegiada" para conseguir capitalizar ações do governo nas suas bases. "Se não criarmos um caminho no Congresso vamos ser massacrados pelo PT nas eleições", disse um dos participantes. Um novo encontro está previsto para terça.

A reunião do "centrão", no apartamento de Luiz Fernando Faria (PP-MG), no 3.º andar, começou por volta das 21h30. No mesmo horário começaram a chegar petistas na casa do vice-presidente da Câmara, André Vargas (PT-PR), no 1.º andar.

O objetivo era discutir os nomes para as três comissões que o PT comandará na Casa. Mas antes disso começou a discussão sobre emendas parlamentares. "Fomos atropelados e começamos a discutir as emendas represadas", contou Vargas. Deputados de todas as legendas - PT inclusive - reclamam que o governo deixou de empenhar R$ 447 milhões no fim de 2013 que tinham sido prometidos.

Por volta da meia-noite, Alves, Cunha e outros participantes da reunião do 3.º andar entraram no elevador para deixar o prédio. Segundos depois, o elevador parou no 1.º andar. Petistas o aguardavam e os participantes dos dois encontros se cruzaram. "Quando encontramos o pessoal do PT vimos que o clima estava até mais pesado que lá em cima", disse um dos líderes. OLABORARAM VERA ROSA e RICARDO DELLA COLETTA. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo