1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Inquérito investiga ameaça a presidente de tribunal do DF

- Atualizado: 22 Janeiro 2016 | 05h 00

Polícia Civil apura carta com intimidação a chefe da corte de contas e conselheiro por extinção de benefícios a PMs

BRASÍLIA - A Polícia Civil instaurou inquérito para investigar uma carta que ameaça de morte o presidente do Tribunal de Contas do Distrito Federal, Renato Rainha, e Manoel de Andrade, um dos conselheiros do órgão. A suspeita é que a ameaça foi feita porque o tribunal determinou a devolução de um benefício pago irregularmente a reservistas da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros do DF. 

Na carta, enviada no dia 11 de janeiro, o remetente anônimo avisa que é da inteligência da PM e que há policiais prontos para matar Rainha e Andrade caso tenha de ser devolvida a chamada indenização de transporte – benefício para militares que, ao se aposentar, optavam por mudar de cidade.

O presidente do Tribunal de Contas do DF diz não se intimidar. Ex-delegado e ex-deputado, Rainha afirmou que já recebeu outras ameaças de morte, mas que sabe se proteger. “Vou redobrar o meu cuidado. Sempre andei armado e continuo andando, a lei me permite.” 

De acordo com Rainha, a Polícia Civil informou os comandantes da PM e dos bombeiros sobre a investigação. A PM, no entanto, afirmou que não havia sido comunicada formalmente até a tarde desta quinta-feira, 21. O Corpo de Bombeiros não quis se pronunciar.

O recurso questionado foi pago entre 1995 e 2002. Entre 1999 e 2001, o tribunal identificou que 350 PMs e 500 bombeiros mantiveram residência na capital federal mesmo tendo recebido o benefício. Os valores corrigidos variam de R$ 80 mil a R$ 200 mil e, na maioria dos casos já julgados, os valores estão sendo descontados da aposentadoria dos servidores. A indenização era calculada a partir da distância da cidade escolhida, da mobília transportada e do tamanho do veículo que faria a mudança.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX