1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Índios são transferidos para prisão branda em RO

JOSÉ MARIA TOMAZELA E CHICO SIQUEIRA - Agência Estado

06 Fevereiro 2014 | 19h 53

No mesmo dia em que parentes sepultavam os três homens mortos na Terra Indígena Tenharim Marmelos, em Humaitá, sul do Amazonas, os cinco índios presos pelo crime foram retirados nesta quinta-feira, 6, da Penitenciária Estadual Edvan Mariano (Pandinha), onde cumpriam prisão temporária, e transferidos para o Centro de Ressocialização do Guaporé, em Porto Velho (RO). A unidade é considerada mais branda que o presídio em que os índios estavam. "Já começam a aliviar a situação dos autores dos crimes, quando na verdade deveriam fechar o cerco e prender outros participantes", reagiu o advogado das famílias das vítimas, Carlos Terrinha.

A transferência foi feita a pedido da Justiça, após um representante da Defensoria Pública da União (DPU) ter visitado a penitenciária para apurar denúncias de que os indígenas eram vítimas de violação dos direitos humanos. De acordo com as denúncias, os índios dormiam no chão. "Os índios têm de ser tratados como os outros brasileiros. Então, que se esvazie todo o presídio. Não é momento de aliviar a situação deles, quando as famílias estão sepultando suas vítimas", disse Terrinha. Segundo ele, o tratamento diferenciado faz crescer o descontentamento e dificulta a reconciliação entre brancos e índios. "O ministro Cardozo (José Eduardo Cardozo, da Justiça) precisa estar atento a isso."

O defensor público Edilson Santana Gonçalves Filho, responsável pelo caso, não quis falar sobre o assunto, assim como o juiz Márcio André Lopes Cavalcante, da 2ª Vara Criminal, que ordenou a mudança. Os índios são acusados das mortes do professor Stef Pinheiro, de 43 anos, do técnico Aldeney Ribeiro Salvador, de 40, e do representante comercial Luciano Ferreira Freire, de 30. Eles haviam sumido na reserva indígena no dia 16 de dezembro e os corpos só foram encontrados numa vala, na última segunda-feira, 3. Os sepultamentos ocorreram nesta quinta, num clima de tristeza e revolta, com pedidos de paz e justiça. Em Apuí, onde foi enterrado o corpo de Stef, as aulas foram suspensas. No enterro, pessoas mostravam faixas e cartazes. O corpo de Aldeney foi sepultado em Manaus, no cemitério do parque Tarumã, acompanhado por 500 pessoas. O corpo de Luciano foi enterrado em Humaitá, em clima de emoção.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo