Imprensa não é mais formadora de opinião, diz Lula

Presidente participou de evento com catadores de lixo em São Paulo e prometeu R$ 225 milhões a catadores

Rodrigo Alvares, do estadao.com.br,

29 Outubro 2009 | 14h58

Presidente visitou a Fenatran e aproveitou para "testar" alguns caminhões. Foto: Hélvio Romero/AE 

 

SÃO PAULO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou voltou a alfinetar a imprensa nesta quinta-feira, 29, durante o Encontro Nacional dos Catadores de Material Reciclável, na capital paulista. "Vocês vão compreender que a figura do chamado formador de opinião pública, que antes decidia as coisas nesse País, já não decide mais. Porque esse povo não quer mais intermediário", afirmou. Depois de receber o prêmio "Primeiro Amigo Catador", o presidente prometeu investir R$ 225 milhões através do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) a todas as cooperativas. Mais cedo, Lula havia  visitado a Feira Internacional da Indústria do Transporte (Fenatran), no Centro de Eventos do Anhembi, onde fez graça com os jornalistas ao "testar" alguns caminhões.

 

Aos gritos de "Lula, cadê você? Eu vim aqui só pra te ver", os catadores saudaram o presidente antes, durante e depois de ele subir ao palco para discursar, além de cantarem "Parabéns a Você" para ele. O presidente comentou sobre o tratamento "humilhante" que os catadores costumam receber de parte da sociedade. "Essa gente não tinha vergonha de passar de carro e jogar um lixo qualquer, achando que vocês eram de segunda categoria e que vocês tinham obrigação de catar o lixo deles", disse o presidente.

 

"Vocês estão fazendo hoje muito mais do que catar material. Vocês estão ensinando a essa gente pedante, a essa gente arrogante, que o ser humano não pode ser discriminado pela sua profissão ou pelo trabalho que faz. Essa é a conquista maior de vocês. E acho que é isso que estão consagrando."

 

Lula também falou sobre o Projeto de Lei 203/91, que tramita no Congresso e cria uma Política Nacional de Resíduos Sólidos - que institui regras para a coleta seletiva de lixo e prevê que a atividade seja licitada e remunerada pelas prefeituras.

 

O temor dos catadores é de que as cooperativas percam as concorrências para grandes empresas interessadas no negócio. "Tenho certeza de que vamos contar com os prefeitos, governadores e com o Congresso, que vai aprovar a lei dos resíduos".

 

O prefeito Gilberto Kassab abriu a cerimônia. Sob vaias, ele agradeceu os investimentos do governo federal para as cooperativas da cidade. Também participaram da cerimônia o ex-prefeito Paulo Maluf, os ministros das Cidades e do Trabalho, Márcio fortes e Carlos Lupi, além do presidente do BNDES, Luciano Coutinho, o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, e Sebastião Moreira, de Guarulhos.

 

Lula também comemorou os bons resultados das montadoras de caminhões e atribuiu a recuperação das vendas, que estão "bombando", às ações do governo para combater a crise no setor, que qualificou como "desgramada". Ele citou especificamente o programa Procaminhoneiro, lançado pelo BNDES, que financia a compra de caminhões por pessoas físicas e empresas com juros de 4,5% ao ano e prazo de até 96 meses.

 

"Sabem qual é o orgulho que eu sinto? É que eles estão bem porque nós aprovamos uma linha de financiamento de um programa chamado Procaminhoneiro. A indústria de caminhões estava numa crise desgramada, e como disse o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, a venda de caminhões está bombando", afirmou o presidente, durante discurso na Expocatadores 2009, evento voltado às associações e cooperativas de catadores de materiais recicláveis, na capital paulista.

Mais conteúdo sobre:
Lula catadores material reciclável BNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.