1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Ideli assume SDH sob críticas do PT e movimento gay

RAFAEL MORAES MOURA - Agência Estado

28 Março 2014 | 19h 37

Bombardeada pela base aliada por conta da frágil articulação política do governo e da demora na liberação de emendas parlamentares, a ministra da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, assume na próxima terça-feira a Secretaria de Direitos Humanos, já na mira de lideranças do movimento gay e do próprio Partido dos Trabalhadores, que a acusam de ter pouca afinidade com os temas tratados pela nova pasta.

"Ideli é uma companheira valorosa no setor sindical, educacional, mas nada tem a ver com direitos humanos, não tem o perfil para tocar essa temática", criticou o coordenador nacional do setorial de direitos humanos do PT, Rodrigo Mondego. "Nas relações institucionais, a grande crítica feita à ministra Ideli foi em relação ao diálogo (com os parlamentares) e a SDH tem como principal característica o diálogo com os movimentos sociais."

Para Mondego, o governo cometeu um equívoco ao não discutir com os movimentos sociais o nome apropriado para suceder à atual titular da pasta, ministra Maria do Rosário. "Nomear a nova ministra da SDH sem ter nenhum diálogo com a militância do partido é um outro erro na nomeação da Ideli",comentou Mondego. "Não fomos consultados."

Ideli e Maria do Rosário conversaram nesta sexta-feira por telefone para tratar da transição na secretaria. Na conversa, Ideli disse que tem admiração pelo trabalho da SDH e destacou que pretende dar continuidade às iniciativas da pasta, que acompanha ações do governo focadas em grupos diversos, como pessoas com deficiência, mortos e desaparecidos políticos, criança e adolescentes, idosos.

Homofobia

Além de lideranças do Partido dos Trabalhadores (PT), o nome de Ideli também encontra resistência dentro do movimento gay, que se ressente da orientação da ministra de não colocar em votação o projeto de lei que criminaliza a homofobia, no ano passado. "A indicação dela é péssima", afirmou o presidente do Grupo Gay da Bahia, Marcelo Cerqueira. "A Ideli não tem jogo de cintura, não está associada com as lutas de direitos humanos, é uma mulher travada com os interesses do núcleo político dela", disse Cerqueira. "Ideli não nos representa."

Nesta semana, o Grupo Gay da Bahia elegeu a ministra uma das inimigas da comunidade gay, dedicando-lhe o troféu "pau de sebo" por "ter sido ''moleca de recado'' da presidente Dilma determinando o arquivamento do projeto de lei que equiparava homofobia ao racismo". Procurada pela reportagem, a assessoria de Ideli não quis comentar as críticas.