Assine o Estadão
assine

Política

Luiz Inácio Lula da Silva

Ideia de ocupar Ministério começa a agradar a Lula

Lula afirma a aliados que não quer usar cargo como estratégia dedefesa; Falcão diz que ex-presidente vai se recolher para ‘refletir’

0

Ricardo Galhardo e Pedro Venceslau,
O Estado de S.Paulo

11 Março 2016 | 08h01

São Paulo - ​Nos últimos dois dias o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou a admitir a possibilidade de aceitar um ministério no governo Dilma Rousseff. Interlocutores do petista perceberam nas conversas com Lula uma postura diferente da primeira vez em que a hipótese foi levantada, no ano passado, quando ele rejeitou essa possibilidade.

Segundo aliados de Lula, ele descarta a hipótese de aceitar um ministério como estratégia de defesa nas investigações em que é citado pela Operação Lava Jato e pelo Ministério Público de São Paulo. Mas, diante da perspectiva de ajudar o governo Dilma a sair da crise, o ex-presidente se mostrou disposto a avaliar a possibilidade.

Até o fim da tarde de ontem, dirigentes petistas e líderes sindicais pressionavam Lula a tomar uma decisão, de preferência até hoje. O pedido de prisão preventiva feito pela Promotoria paulista, no entanto, pode atrasar a definição. Conforme auxiliares, o petista não deve se decidir antes da manifestação da Justiça sobre o pedido do Ministério Público Estadual.

Embora Lula faça questão de separar a dimensão política das possíveis consequências jurídicas de assumir um ministério, advogados próximos ao ex-presidente especulam sobre o impacto em relação às investigações das quais Lula é alvo. Existem pelo menos duas vertentes.

A primeira considera que, ao aceitar uma pasta, Lula teria obteria foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal e, assim, estaria fora do alcance da Lava Jato e do Ministério Público Estadual. O segundo grupo argumenta que, ao entrar na equipe de Dilma, Lula daria o pretexto para a Lava Jato decretar sua prisão por obstrução à Justiça.

‘Reflexão’. O presidente do PT, Rui Falcão, afirmou ontem que Lula vai se recolher no fim de semana para refletir sobre se aceita um cargo no governo Dilma para “salvar o nosso projeto”. Falcão, que participou de plenária com lideranças dos movimentos sociais da Frente Brasil Popular, em São Paulo, relatou que passou boa parte do dia reunido com Lula “refletindo”.

“Ele não disse nem sim, nem não. Essa decisão cabe exclusivamente a ele”, afirmou Falcão. O presidente do PT relatou como Lula recebeu a notícia do pedido de prisão. “Lula falou: ‘Não quero pensar nisso agora. Vou refletir sobre essa decisão difícil que tenho que tomar’.”

Cobrança. Petistas citam a Secretaria de Governo e a Casa Civil como destinos possíveis de Lula, caso aceite integrar o governo. Se a escolha for pela Casa Civil, o atual titular da pasta, Jaques Wagner, iria para o Ministério da Justiça. Ontem, durante reunião com petistas, sindicalistas e o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, em São Paulo, Lula foi cobrado a aceitar o ministério e ajudar o governo a sair da crise. Segundo relatos, ele sorriu, mas não respondeu.

Depois que o Ministério Público paulista pediu a prisão preventiva, Wagner ligou para Lula e insistiu para que assumisse um ministério, mas ele novamente recusou a oferta.

À noite, Dilma se reuniu com os ministros Jaques Wagner, Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), José Eduardo Cardozo (Advocacia-Geral da União) e com o assessor especial Giles Azevedo, no Palácio da Alvorada. Na avaliação do governo, o Ministério Público de São Paulo, ao pedir a prisão de Lula, jogou combustível na crise, incitando os militantes do PT a ocuparem as ruas em defesa do petista. / COLABOROU ANA FERNANDES

Comentários