Globo/Raquel Cunha
Globo/Raquel Cunha

Huck retoma consultas sobre candidatura

Apresentador volta a se aconselhar com FHC e com o economista Paulo Guedes; ex-presidente diz que ele ‘está considerando’ disputar

Gilberto Amendola e Eduardo Kattah, O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2018 | 05h00

O apresentador Luciano Huck passou a ser encarado como uma opção do centro político após voltar a avaliar uma possível candidatura à Presidência. Nesta sexta-feira, 9, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) disse, em entrevista à Rádio Guaíba, de Porto Alegre, que Huck “está considerando a possibilidade” de se candidatar. O apresentador intensificou nos últimos dias as consultas a políticos e empresários sobre a viabilidade de seu nome na disputa presidencial. 

Nesta quinta-feira, 8, Huck jantou em São Paulo com FHC e na sexta tomou café da manhã com o economista Paulo Guedes. O fundador do banco Pactual, que atualmente aconselha o deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ), foi o primeiro a estimular Huck e calcular potencial eleitoral no apresentador da TV Globo. 

Segundo relatos de pessoas próximas a Huck, ele disse ao economista que estava surpreso positivamente com as manifestações de apoio que tem recebido de representantes do mundo político mesmo depois de ter anunciado no fim do ano passado que não seria candidato. O apresentador voltou a se aconselhar com Guedes. 

Embora reitere que está alinhado com o correligionário Geraldo Alckmin (PSDB), Fernando Henrique tem sido um incentivador da candidatura de Huck argumentando que é bom para o País ter “opções”. Esta foi uma avaliação consensual durante um almoço na terça-feira passada no apartamento do ex-presidente, no bairro de Higienópolis. O almoço reuniu FHC, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (MDB). 

+++'Se alguém diz que compreende, é porque está por fora', diz Serra sobre cenário eleitoral

A análise é de que o campo político que vai da centro esquerda – representada principalmente pelo PPS, sigla que tenta filiar Huck – aos partidos liberais precisa ter “alternativas” ao governador paulista, que já foi lançado pré-candidato, mas ainda não atingiu dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto. 

Hartung é cotado como possível vice de Huck. Roberto Freire, presidente do PPS, e o ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga são interlocutores frequentes dele. Maia, que no fim do ano passado tentou atrair o apresentador para o DEM, mais recentemente passou a admitir que ele mesmo pode se candidatar. 

+++‘Se ele aderir a esta tese, por que não?’, diz Padilha sobre Huck defender legado do governo Temer

O destino de Huck é tratado como uma decisão de “foro íntimo”, mas entre líderes políticos a avaliação é de que “o olho dele está brilhando”. Com quem conversou nos últimos dias, o apresentador se mostra dividido entre o que deseja a “pessoa física” e as obrigações da “pessoa jurídica”. A “pessoa física” está propensa a enfrentar o desafio de uma candidatura, mas seus compromissos profissionais (contrato com TV e patrocinadores) pesam contra. A TV Globo reforçou o pedido para que o apresentador se defina antes do fim de fevereiro – de preferência logo depois do carnaval. A nova grade de programação da emissora estreia em abril. Uma decisão de Huck vai causar impacto em toda a formatação da TV para 2018. Se decidir por disputar a Presidência, a emissora deve tirar do ar o Caldeirão do Huck e o programa de sua mulher, Angélica. 

+++'Não me sinto sabotado pelo FHC', diz Alckmin ao comentar amizade com Huck

“Ele está considerando a possibilidade”, afirmou FHC. “Mas ele trabalha na Globo, tem um contrato e tem que pesar estas coisas todas. Ele tem que ver por qual seria o partido e como vai ser. Que eu saiba, não há uma decisão por parte dele e não é uma decisão fácil. É uma decisão que tem que ser dele. Eu não vou imaginar que eu possa influir, pois ele sabe a minha posição.”

Já Maia, agora pré-candidato, vê com ceticismo a possível candidatura. “Se ele escreveu mais de uma vez que não é candidato, inclusive na Justiça Eleitoral, não trabalho com esse assunto como uma opção. Se ele mudar de opinião – e ele tem todo o direito de escrever uma coisa num dia e outra no outro –, aí vai ser outro debate”, disse à TV Bandeirantes. / COLABORARAM RICARDO GALHARDO e LUCAS RIVAS, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.