1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Homens foram mortos a tiros e enterrados em aldeia, afirma delegado

Ampliado às 14h20 - José Maria Tomazela, de O Estado de S. Paulo

04 Fevereiro 2014 | 14h 12

Identificação dos corpos ainda não foi concluída, mas PF acredita serem restos mortais de desaparecidos em Humaitá (AM)

SOROCABA - O exame inicial dos três corpos de homens encontrados nessa segunda-feira, 3, em aldeia na Terra Indígena Tenharim, em Humaitá, sul do Amazonas, mostrou que eles foram mortos a tiros. Ao contrário do que chegou a ser divulgado, as vítimas não sofreram decapitação ou esquartejamento. Os corpos ainda passavam por exames para identificação no início da tarde desta terça-feira, 4, mas o delegado Arcelino Damasceno, da Polícia Federal, disse não ter dúvidas de que se tratavam dos três desaparecidos.

O representante comercial Luciano Freire, o técnico Aldeney Salvador e o professor Stef Pinheiro desapareceram no dia 16 de dezembro, na rodovia Transamazônica. A suspeita da polícia é de que eles foram assassinados por índios da etnia tenharim. Cinco suspeitos por envolvimento no crime estão presos desde 30 de janeiro em Porto Velho.

O delegado aguardava a chegada dos familiares para a coleta de material para exame de DNA, mas admitia a possibilidade de reconhecimento direto. "Apesar do estado dos corpos, os familiares vão poder reconhecer, se quiserem." Os exames periciais devem indicar o calibre da arma e a causa da morte, disse o delegado.

Segundo o delegado, os cinco índios presos não informaram onde os corpos estavam enterrados. A localização foi possível graças à ajuda de mateiros do Exército e cães farejadores da Polícia Militar.

A defesa tenta pedir a soltura dos indígenas. "A Polícia Federal apresentou provas testemunhais, mas elas são genéricas e superficiais", disse o advogado Ricardo Tavares Albuquerque. Na semana passada A Associação Nacional dos Servidores da Funai (Ansef) e a Confederação Nacional dos Servidores Públicos Federais (Condsef) divulgaram nota em que sustentam haver violação aos direitos dos povos indígenas no episódio.