1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Hoje, para mim, foi uma ofensa pessoal', diz Lula em ato em SP

- Atualizado: 04 Março 2016 | 23h 01

Ex-presidente comentou condução coercitiva e atacou Moro e procuradores: 'se forem R$ 1 real mais honestos, desisto da política'

Ex-presidente chegou a se emocionar em discurso, quando citou avanços durante seu governo 

Ex-presidente chegou a se emocionar em discurso, quando citou avanços durante seu governo 

SÃO PAULO - Em discurso emocionado para centenas de apoiadores, no centro de São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou na noite desta sexta-feira, 4, que encarou como uma "ofensa pessoal" a condução coercitiva realizada pela Polícia Federal em sua residência, em São Bernardo do Campo. "Foi um desrespeito a alguém que dedicou a vida a esse País", disse Lula, no palco da Quadra dos Bancários. O ex-presidente afirmou também que o que viu nesta sexta foi um show de pirotecnia.

Cercado por várias lideranças sindicais e políticas, Lula voltou a dizer que não é dono dos imóveis investigados na Operação Lava Jato e criticou o juiz federal Sérgio Moro, que autorizou a ação da PF. "Ele não precisava ter feito", afirmou, lembrando as vezes em que se colocou à disposição para prestar esclarecimentos à Justiça. "Se eles (o juiz Sérgio Moro e os procuradores), juntos, forem R$ 1 mais honesto do que eu, desisto da vida política", acrescentou.

Veja as principais frases de Lula em coletiva no Diretório Municipal do PT
Gabriela Biló/Estadão
Operação Lava Jato

A Polícia Federal e a Receita Federal deflagaram nessa sexta-feira, 4 de março, a 24ª fase da Operação Lava Jato. Mandados foram cumpridos em endereços do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do seu filho, Fabio Luiz Lula da Silva, e no Instituto Lula

Lula chegou a chorar em alguns momentos de seu discurso, quando lembrou de avanços sociais ao longo de seus dois mandatos. Depois de citar o crescimento da geração de emprego e o aumento real do salário mínimo, provocou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. "Essas coisas ele não escreve nos livros dele", disse.

Por vezes foi interrompido pela plateia com gritos de apoio. "O Lula é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo", cantaram. Orgulhoso de seus feitos, Lula afirmou que foi o melhor presidente da história do País e o melhor presidente do mundo no começo do século XX. "O mundo inteiro admirava o que a gente tinha feito", disse.

"E a elite brasileira, que nós chamamos de coxinha, não consegue aceitar a ideia de uma mulher governar um país como esse", disse o ex-sindicalista, em referência à presidente Dilma Rousseff. Falou, inclusive, que a presidente não tem de fazer política voltada para o mercado, mas sim para que o brasileiro volte a consumidor. O ex-presidente disse ainda que, em todas as vezes em foi derrotado em eleições, comportou-se como um democrata, aceitando a derrota e tentando novamente em uma próxima oportunidade. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX