1. Usuário
Assine o Estadão
assine
1964

Grupo faz manifestação em frente à Fiesp para lembrar golpe de 64

Atualizado em 10.04 - Roldão Arruda

09 Abril 2014 | 15h 09

Segundo integrantes da Frente Esculacho Popular e ex-presos políticos, a entidade ajudou a financiar a ditadura

São Paulo - Cerca de 40 pessoas participaram de uma manifestação para lembrar os 50 anos do golpe de 1964, em frente ao prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na Avenida Paulista, nesta quarta-feira, 9. Organizado pela Frente Esculacho Popular, o ato era em protesto contra a entidade que, segundo o grupo, financiou e apoiou a ditadura militar.

Entre os manifestantes havia também ex-presos políticos, parentes de desaparecidos e representantes da Comissão Estadual da Verdade. "A Fiesp tem que pedir perdão ao povo e à sociedade brasileira pelo apoio ao golpe e à tortura. Ela deve uma reparação moral", afirmou a ex-presa política Amélia Teles.

Os manifestantes distribuíram panfletos sobre o ato e pregaram uma faixa na entrada da sede. O local já estava fechado naquele momento em razão das manifestações realizadas pelas centrais sindicais, também nesta quarta. Para o assessor da Comissão Estadual da Verdade, e ex-preso político, Ivan Seixas a entidade deve abrir seus arquivos para as comissões da Verdade.

"Um de seus representantes estava no Dops todos os dias. Ele sabia das torturas e acompanhava", afirmou Seixas em referência a Geraldo Resende de Mattos. No panfleto, o grupo diz que "Geraldo Resende de Mattos, da Fiesp, frequentou o Dops de São Paulo, um dos maiores centros de tortura do País, até quatro vezes por semana entre 1971 e 1978, de acordo com o livro de registros de entrada de pessoas na sede do órgão".

No ano passado, a Comissão Estadual da Verdade informou que investigaria a presença de civis no Dops. Entre os nomes mencionados em documentos do Arquivo Público do Estado estava o de Geraldo Resende de Mattos. Em nota, a Fiesp afirmou ser orientada "pela defesa da democracia e do Estado de Direito" e que eventos passados que contrariem esses princípios "podem e devem ser apurados".

A ação organizada pela Frente Esculacho Popular faz parte de eventos organizados por movimentos para lembrar os 50 anos do golpe que depôs o então presidente João Goulart, em abril de 1964.

Na semana passada, integrantes do Levante Popular da Juventude realizaram ato em frente à casa do delegado aposentado da Polícia Civil Aparecido Laerte Calandra. Conhecido como "Capitão Ubirajara", Calandra atuou por quase dez anos no DOI-Codi, centro de repressão e tortura da ditadura./Colaborou Lilian Venturini

1964

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo