André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Grupo convoca manifestação em frente ao STF nesta quarta-feira

MBL e outros movimentos antipetistas acusam a Corte de querer dar um 'golpe' para proteger Lula

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

21 Março 2018 | 10h56

O Movimento Brasil Livre (MBL), um dos protagonistas das manifestações a favor do impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff, convocou outra manifestação na tarde desta quarta-feira em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF). Eles pedem a manutenção da prisão após confirmação em decisão colegiada. Nas redes sociais, o movimento denuncia o que chama de 'golpe' para supostamente evitar a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que aguarda o julgamento dos recursos apresentados ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). 

Outros grupos, como o Movimento Avança Brasil, também convocaram seus seguidores a comparecer. Nesta segunda-feira, eles entregaram uma carta aos ministros na qual reforçam o pedido para manter a prisão em segunda instância. 

Havia a expectativa de que os ministros se reunissem nesta terça-feira, em encontro fechado, para discutir o assunto. No entanto, a reunião não ocorreu. O tema pode ser discutido na sessão desta quarta-feira. Uma eventual mudança no entendimento do caso - que impedisse a prisão em segunda instância - beneficiaria a defesa de Lula e de outros nove presos no âmbito da Lava Jato. 

+++Movimentos pedem ao STF a manutenção da prisão em segunda instância

O MBL, que propaga o antipetismo nas redes sociais, já havia se concentrado nesta terça-feira na entrada da Corte. Outros movimentos, como o Vem Pra Rua, também participaram da manifestação. Nos últimos dias, os grupos divulgaram vídeos de artistas que pediam para a presidente do STF, ministra Carmen Lúcia, 'resistir' à pressão e não discutir o tema. Nomes como Juliana Paes, Fafá de Belém, Dani Suzuki e Márcio Garcia aparecem nas imagens. 

Veja os vídeos, compilados pelo site 'O Antagonista':

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.