Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Grupo Agora! deseja ter 'outros Lucianos'

Movimento que tem o apresentador da TV Globo como integrante quer participar ativamente da política lançando candidatos ao Legislativo

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2017 | 21h03

Embora tenha se declarado fora da corrida presidencial, o apresentador Luciano Huck continua ativo no grupo que escolheu para se abrigar politicamente, o Agora!. Ele vai participar das próximas reuniões do coletivo – encontros que devem definir a agenda do movimento em relação às eleições de 2018. Se essa participação significa que Huck ainda pode voltar atrás de sua decisão, é Patrícia Ellen, de 39 anos, uma das fundadoras do grupo, quem responde: “A gente costuma brincar que no Agora! nada é para sempre”. 

ELIANE CANTANHÊDE: Alckmin por W.O.

Patrícia, que é ex-sócia da consultoria empresarial McKinsey & Company e especialista em Gestão Pública e Inovação Digital, e outros dois fundadores do movimento, o cientista político Leandro Machado, de 39 anos, e o Ph.D. em Economia Humberto Laudares, de 38, são unânimes em afirmar que o Agora! gostaria de receber “outros Lucianos e Lucianas”.

ESTADÃO PODCASTS: Aclamado no PSDB, Alckmin abre espaço para convergência no centro

Machado, no entanto, faz questão de frisar que a suposta candidatura Huck não havia sido discutida oficialmente pelo Agora!. “Se ele tivesse confirmado a candidatura, a gente precisaria fazer mais reuniões para saber como iríamos agir”, disse. Porém, “Lucianos(as)” seriam a maneira mais eficaz de aproximar a agenda do movimento cívico de uma parcela mais ampla do eleitorado. 

JOSÉ NÊUMANNE: Huck fora

Não à toa, uma das características mais ressaltadas por eles é a capacidade do apresentador de se comunicar com todas as parcelas da sociedade. “A polarização, o Fla x Flu, cria dificuldades para uma discussão mais profunda. Mas nós não queremos mobilizar ninguém pelo medo ou raiva, nós queremos mobilizar pelo sonho”, afirmou Machado.

+++ Paulo Guedes, o alter ego liberal de Jair Bolsonaro

Hoje, o Agora! é composto por 90 membros, mas já existem mais de 3,5 mil fichas de interessados em se juntar ao projeto. O “núcleo de formação” do Agora! é formado por acadêmicos, líderes empresariais e ativistas com idade entre 35 e 45 anos e currículos com a marca de instituições como Columbia, Harvard, Stanford.

+++ Lula segue na liderança para 2018, diz pesquisa

Ideologia. O grupo não se posiciona como direita ou esquerda – considera até que essa é uma divisão que não cabe mais no cenário mundial. Diz preferir pensar em eficiência e solução de problemas do que em velhos dogmas. Repele, porém, o discurso da não política e prepara-se para lançar candidatos ao Legislativo (principalmente deputados federais) nas eleições de 2018. 

+++ Marina anuncia pré-candidatura à Presidência

O Agora! está concentrando suas conversas em três legendas: PPS (a que ficou mais próxima de Huck), a Rede e o PSL-Livres. Patrícia e Laudares estão bem perto de darem o passo em direção à carreira política. Dos três, Machado é o único que afirma não estar na disputa em 2018. Embora não tenha filiação partidária, Laudares é o que está mais próximo desse universo. Ele atua como assessor econômico da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, sendo muito próximo do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

+++ Apoiador de Bolsonaro causa tumulto em evento do PSDB

Laudares também foi um dos fundadores do movimento Vem Pra Rua, que teve forte atuação no período de impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff, e do Onda Azul, que tinha como um dos seus princípios renovar os quadros do PSDB. “Não sou mais parte desses movimentos. E, se eu realmente for candidato, não será pelo PSDB”, disse.

+++ Outros nomes podem surgir, avalia idealizador do RenovaBR

Segundo seus fundadores, o Agora! é um movimento autossustentável, mas que se prepara para se abrir para apoiadores. “A questão é a transparência. Todas as doações serão públicas. Qualquer pessoa que doar mais de R$ 5 mil precisará assinar um documento de que aquela doação não está ligada a nenhum tipo de favorecimento futuro”, disse Patrícia. Além disso, os futuros candidatos ao Legislativo não devem receber o suporte financeiro do grupo em suas campanhas.

Mais conteúdo sobre:
Luciano Huck

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.