Greve do setor aéreo é suspensa, mas voos sofrem atrasos

Após decisão judicial, funcionários do setor voltaram ao trabalho.

BBC Brasil, BBC

23 Dezembro 2010 | 11h06

A greve dos funcionários do setor aéreo, prevista para começar nesta quinta-feira, foi suspensa após decisão da Justiça. Apesar disso, atrasos foram registrados nesta manhã em cerca de 30% dos voos domésticos e 20% dos internacionais.

A Justiça havia determinado, na noite de quarta, que 80% dos funcionários do setor se mantivessem em atividade, de forma a "viabilizar o transporte aéreo em todo o território nacional, entre 23 de dezembro de 2010 e 2 de janeiro de 2011".

Em assembleia na manhã desta quinta-feira, os sindicatos que representam os aeronautas (pilotos, comissários e mecânicos de voo) e os aeroviários (que trabalham em terra, nos aeroportos) anunciaram a suspensão temporária da paralisação, em cumprimento à decisão judicial.

A assessoria de imprensa da Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac) disse à BBC Brasil que todos os funcionários do setor voltaram a trabalhar normalmente, mas agregou que vão questionar na Justiça as liminares proibindo sua paralisação.

Os trabalhadores reivindicam reajustes salariais, e as negociações a respeito do tema com as companhias aéreas terminaram em impasse.

Também na manhã desta quinta, a Infraero, estatal que administra aeroportos, calculava que 258 voos domésticos (30% do total) registravam atrasos superiores a 30 minutos. Outros 46 voos foram cancelados.

Entre os vôos internacionais, 13 (equivalentes a quase 20% do total) estavam atrasados e um foi cancelado.

As liminares proibindo a greve foram concedidas pelo presidente do Tribunal Superior do Trabalho, o ministro Milton de Moura França, que fixou uma multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento da ordem. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
greve aéreo infraero voos atrasos liminar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.