1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Gravação de conversa de Dilma e Lula foi uma arbitrariedade, diz Jaques Wagner

- Atualizado: 16 Março 2016 | 21h 21

Recém-nomeado para o gabinete da Presidência disse ser favorável às investigações, mas ressaltou que ‘grampo é inadmissível’

Recém-nomeado para o cargo de ministro-chefe do Gabinete Pessoal da Presidência, Jaques Wagner afirmou nesta quarta-feira, 16, que a gravação do telefonema entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi uma arbitrariedade. "Não se pode violar ou interceptar o telefone da presidente da República. Isso fere a segurança dela. Não sabemos como ele (Sérgio Moro, juiz) conseguiu violar o sistema da presidente", afirmou o ministro, em declaração divulgada por meio de sua assessoria de imprensa.

Wagner disse ser favorável às investigações, mas ressaltou que "grampo é inadmissível". Ainda segundo ele, a conversa entre Dilma e Lula, nomeado ministro-chefe da Casa Civil, foi interpretada fora do contexto. "Os diálogos estão sendo interpretados fora do contexto para criar fato político negativo", afirmou. Jaques Wagner está em Salvador (BA) e retorna a Brasília na quinta-feira, 17. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX