Assine o Estadão
assine

Política

PSD

'Grampo de Dilma e Lula é fato gravíssimo e balança base, diz líder do PSD na Câmara

Rogério Rosso evitou comentar publicamente se a sigla pode desembarcar da base após a divulgação dos últimos fatos e disse que prioridade no momento são as indicações para a comissão do impeachment

0

Igor Gadelha,
O Estado de S.Paulo

16 Março 2016 | 21h42

BRASÍLIA - O líder do PSD na Câmara, deputado Rogério Rosso (DF), avaliou nesta quarta-feira, 16, como "gravíssima" a conversa telefônica entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que indica que a nomeação de Lula para a Casa Civil teria sido para que ele passasse a ter foro privilegiado. Na avaliação do parlamentar, a divulgação da gravação "balança" a base aliada do governo, da qual o PSD faz parte.

"Se a indicação foi feita para dar foro privilegiado ao ex-presidente Lula considero muito grave. Pode estar ferindo princípio constitucional", afirmou Rosso. O líder evitou comentar publicamente se o PSD pode desembarcar da base aliada após a divulgação dos últimos fatos, como fez nesta quarta o PRB. Segundo ele, a "prioridade" do partido neste momento é indicar os quatro deputados que terá direito para a comissão especial do impeachment na Câmara.

Rogério Rosso afirmou que irá ouvir todos os membros da bancada do PSD sobre como deverá fazer a divisão das vagas. O líder partidário disse que, até antes da divulgação da conversa entre Dilma e Lula, a bancada estava dividida igualmente entre os que são favoráveis e contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. "Vivemos a crise da maior gravidade desde a redemocratização", afirmou.

Comentários