1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Graça e Lobão irão ao Senado para esvaziar pedido de CPI

RICARDO BRITO - Agência Estado

26 Março 2014 | 17h 25

Numa tentativa de esvaziar o pedido da oposição de criar uma CPI da Petrobras às vésperas das eleições, a presidente da estatal, Maria das Graças Foster, e o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, acertaram com líderes da base aliada do Senado que vão participar de audiências públicas em comissões da Casa. Graça Foster vai comparecer no dia 8 de abril e, uma semana depois, será a vez de Edison Lobão.

O acordo foi revelado nesta quarta-feira, 26, pelo líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE). Até o momento, os dois vão comparecer na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), mas é possível que os encontros se transformem numa sessão conjunta com a Comissão de Fiscalização e Controle (CFC) do Senado. Só falta a confirmação da agenda do presidente do último colegiado, Eduardo Amorim (PSC), que pode ocorrer em breve.

Para Humberto Costa, o acerto da vinda de Graça e Lobão é uma "clara demonstração" que o governo está interessado em dar as explicações dos fatos que envolvem a estatal petrolífera. A CPI ganhou força depois que o jornal O Estado de S.Paulo revelou, na semana passada, que a presidente Dilma Rousseff (PT), quando presidia o Conselho de Administração da Petrobras, votou a favor da compra de parte da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), com base em um resumo juridicamente "falho". Dois anos atrás, a estatal concluiu a compra da refinaria e pagou ao todo US$ 1,18 bilhão por Pasadena, que, sete anos antes, havia sido negociada por US$ 42,5 milhões à ex-sócia belga.

"Não abriremos espaço para paralisar os trabalhos do Congresso e montarmos um palco para alguns que querem aparecer", afirmou Humberto Costa, em discurso da tribuna do Senado, para quem a ação da oposição é "eminentemente" eleitoral.

O líder petista criticou também a representação apresentada à Procuradoria Geral da República contra Dilma nesta terça-feira, 25, por um grupo de parlamentares independentes por conta do voto em Pasadena. Ele lembrou que a decisão da estatal foi colegiada, com a participação, por exemplo, do empresário Jorge Gerdau. "Eu gostaria de ver essa mesma ousadia também em relação aos demais outros membros do conselho", afirmou a senadora e ex-ministra da Casa Civil Gleisi Hoffman (PT), em aparte ao colega de partido.

Humberto Costa disse que a bancada do PT no Senado fechou questão contrariamente ao pedido de CPI. Até o momento, a oposição já recolheu na Casa 22 assinaturas em favor da investigação parlamentar. Assinaram nesta quarta o líder do PSDB na Casa, Aloysio Nunes Ferreira (SP), Paulo Bauer (PSDB-SC), e a senadora Maria do Carmo (DEM-SE). O mínimo necessário é 27 nomes, embora a oposição queira, primeiro, apresentar uma CPI mista, composta por deputados e senadores.

O líder petista pediu aos colegas de outros partidos que resistam à pressão de assinar a CPI. Segundo ele, o governo está dando as explicações necessárias. "Tentam lhes pressionar sob o argumento de que (os senadores) estariam sendo coniventes com a impunidade", criticou.