Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Governo vê 'vitória' como oportunidade para trégua

Planalto trata liminares do STF como triunfo contra o impeachment; para ministro, questões políticas não podem ser resolvidas com 'ruptura institucional'

Vera Rosa, Tânia Monteiro, Adriano Ceolin e Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

14 Outubro 2015 | 02h02

Brasília - A presidente Dilma Rousseff acredita que venceu ontem a mais importante batalha contra o impeachment e vai tentar, agora, sair da agenda negativa e recompor a base aliada no Congresso, para votar medidas do pacote fiscal até dezembro. Apesar das dificuldades, a meta é mostrar que o governo não está paralisado pela crise política.

Após sofrer uma derrota, com três liminares do Supremo Tribunal Federal suspendendo o rito diferenciado para a abertura do processo de impeachment, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), deu sinais de que pode aceitar a trégua com o Palácio do Planalto. Ao ser questionado por líderes da base aliada, na tarde de ontem, como será possível reconstruir um ambiente de estabilidade na Câmara, Cunha disse que admite conversar com o governo.

Dilma estava na reunião de coordenação política, com 11 ministros, quando soube das duas primeiras liminares do Supremo. De acordo com relatos de participantes do encontro, ela comemorou a decisão. "Vencemos o golpismo. Agora, temos muito trabalho pela frente", disse a presidente, no Planalto. "Foi um momento de Copa do Mundo, esquecendo o 7 a 1 para a Alemanha", comparou um de seus auxiliares.

Reuniões. Preocupado o agravamento da crise, o titular da Casa Civil, Jaques Wagner, reuniu-se anteontem à noite com Cunha, na Base Aérea de Brasília. Em menos de uma semana, os dois se encontraram duas vezes e conversaram outras três por telefone.

Sob a acusação de manter contas secretas na Suíça, abastecidas com dinheiro desviado da Petrobrás, Cunha tem certeza de que o governo - com quem rompeu relações em julho - está por trás de seu calvário.

Wagner disse a ele que o Planalto não tinha influência nas investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, nem no Ministério Público ou no Supremo e insistiu no diálogo. Afirmou, ainda, que as portas estavam "abertas".

Por volta de 16 horas, os líderes José Guimarães (do governo na Câmara), Leonardo Picciani (da bancada do PMDB) e Rogério Rosso (do PSD) tiveram uma conversa reservada com Cunha. Embora 32 dos 62 deputados do PT tenham assinado requerimento encabeçado pelo PSOL e pela Rede Sustentabilidade, pedindo a cassação do seu mandato no Conselho de Ética, o deputado admitiu uma aproximação com o governo.

Na avaliação do Planalto, Cunha está agora com as mãos atadas, mas, mesmo fragilizado, ainda pode causar muito estrago. Um ministro disse ao Estado que o governo não tem como segurar a difícil situação do peemedebista, mas, ao mesmo tempo, "também não pode dinamitar as pontes com o presidente da Câmara". Além de Wagner, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o vice Michel Temer e o ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, também estiveram com Cunha, recentemente.

"Nós queremos dialogar com a base e com a oposição. O que nós queremos é criar um ambiente de paz política, de estabilidade, para que divergências não paralisem o País", afirmou Edinho. "O impeachment é uma questão jurídica. O Brasil não pode resolver suas questões políticas com ruptura institucional."

O governo avalia que, após a derrubada do "manual do impeachment" - como era chamado no Planalto o rito de tramitação sugerido por Cunha -, ficou muito complicado para a oposição encontrar argumentos para embasar pedidos de afastamento de Dilma.

O PSDB anunciou que apresentará novo requerimento, incluindo as manobras contábeis do Executivo neste ano, conhecidas como "pedaladas fiscais". Se Cunha aceitar esse novo pedido, no entanto, o governo recorrerá novamente ao Supremo. Advogados acreditam que ela vencerá com facilidade porque as "pedaladas" de 2015 não foram julgadas pelo Tribunal de Contas da União, que reprovou o balanço do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.