1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo vai questionar na Justiça aditamento de delação de Delcídio ao pedido de impeachment

- Atualizado: 21 Março 2016 | 18h 43

Líder do PT na Câmara alega que apensamento é improcedente pois 'delação é objeto de abertura de investigação'; segundo ele, se houver necessidade, Planalto vai recorrer ao Supremo

BRASÍLIA - O governo tentará retardar na Justiça o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O PT questionará nesta segunda-feira, 21, a inclusão da delação do ex-líder do governo no Senado Delcídio Amaral (sem partido-MS) no pedido de impedimento, que, inicialmente, tratava apenas das chamadas "pedaladas fiscais".

Deputado federal Afonso Florence (PT-BA)
Deputado federal Afonso Florence (PT-BA)

O líder do partido na Câmara, Afonso Florence (BA), disse esperar, inicialmente, que o presidente da Comissão Especial do impeachment, Rogério Rosso (PSD-DF), não acate o aditamento. Rosso, no entanto, diz não poder fazer nada porque a delação já estava no processo quando a comissão especial começou a funcionar.

A segunda estratégia do Poder Executivo será apresentar questões de ordem e, caso não sejam atendidas, haverá apelação ao Supremo Tribunal Federal (STF). "O apensamento é improcedente. Delação é objeto de abertura de investigação. Havendo necessidade, vamos ao Supremo", disse Florence, para quem "a oposição está se especializando em golpe".

Somente após uma definição a respeito da inclusão da colaboração premiada é que o Executivo deve decidir se usará ou não todas as sessões a que tem direito para apresentar a defesa. Já ocorreram duas das dez sessões plenárias que Dilma tem para se defender. O presidente da Comissão Especial do impeachment da Câmara disse ao Estado que fará na sessão desta tarde um apelo para evitar a protelação.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX