Assine o Estadão
assine

Política

Justiça

Governo vai questionar na Justiça aditamento de delação de Delcídio ao pedido de impeachment

Líder do PT na Câmara alega que apensamento é improcedente pois 'delação é objeto de abertura de investigação'; segundo ele, se houver necessidade, Planalto vai recorrer ao Supremo

0

Daniel Carvalho e Julia Lindner,
O Estado de S.Paulo

21 Março 2016 | 18h40

BRASÍLIA - O governo tentará retardar na Justiça o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O PT questionará nesta segunda-feira, 21, a inclusão da delação do ex-líder do governo no Senado Delcídio Amaral (sem partido-MS) no pedido de impedimento, que, inicialmente, tratava apenas das chamadas "pedaladas fiscais".

O líder do partido na Câmara, Afonso Florence (BA), disse esperar, inicialmente, que o presidente da Comissão Especial do impeachment, Rogério Rosso (PSD-DF), não acate o aditamento. Rosso, no entanto, diz não poder fazer nada porque a delação já estava no processo quando a comissão especial começou a funcionar.

A segunda estratégia do Poder Executivo será apresentar questões de ordem e, caso não sejam atendidas, haverá apelação ao Supremo Tribunal Federal (STF). "O apensamento é improcedente. Delação é objeto de abertura de investigação. Havendo necessidade, vamos ao Supremo", disse Florence, para quem "a oposição está se especializando em golpe".

Somente após uma definição a respeito da inclusão da colaboração premiada é que o Executivo deve decidir se usará ou não todas as sessões a que tem direito para apresentar a defesa. Já ocorreram duas das dez sessões plenárias que Dilma tem para se defender. O presidente da Comissão Especial do impeachment da Câmara disse ao Estado que fará na sessão desta tarde um apelo para evitar a protelação.

Comentários