Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Governo Temer prepara ação para marcar dois anos de gestão do MDB

Ideia é apresentar o legado da gestão emedebista no período, com foco em medidas na economia, educação, saúde e meio ambiente

Renan Truffi e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

07 Maio 2018 | 18h24

BRASÍLIA - A cúpula do governo federal prepara uma ação para marcar os dois anos da gestão Michel Temer. Não está definido ainda qual será o formato - se será apenas uma peça publicitária ou se terá a participação do presidente -, mas a ideia é formatar uma mensagem sobre o legado da gestão emedebista neste período.

+ Barroso nega pedido de Temer para arquivar investigações, prorrogadas por 60 dias

A campanha deve ser a última do governo antes do fim desta gestão, já que o período eleitoral começará no segundo semestre e as propagandas políticas ficarão restritas aos candidatos. Por isso, a reportagem do Broadcast Político apurou que assessores governamentais discutem também a possibilidade de se realizar uma cerimônia no Palácio do Planalto ou até mesmo um pronunciamento à Nação.

+ Fizemos coisas que se esperava em 20 anos em dois, diz Temer

Caso a Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência da República opte por um evento, o Palácio estuda realizar esta ação no fim de semana de 12 e 13 de maio ou na próxima semana, a partir do dia 14 de maio. Isso porque Temer assumiu o mandato presidencial em 12 de maio de 2016, quando a ex-presidente Dilma Rousseff acabou afastada do cargo por decisão do Congresso Nacional.

O teor da campanha será as ações do governo que "mudaram a vida dos brasileiros" de 2016 até agora. A ideia não é apenas se limitar às medidas econômicas, como a queda da inflação e a retomada do crescimento. A publicidade deve enaltecer também iniciativas nas áreas de educação, saúde e meio ambiente, por exemplo.

+ Temer diz 'lamentar' investigação contra coronel Lima, apontado como intermediário de propinas

Em meio à formatação dessas ações, Temer admite negociar com membros de outros partidos da base aliada a formação de uma chapa que faça a defesa enfática do legado de sua administração. Nesta semana, o presidente e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin devem se reunir para discutir uma possível aliança entre MDB e PSDB para disputar o Planalto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.