1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo reúne apenas cinco senadores em reunião de líderes da base no Planalto

- Atualizado: 28 Março 2016 | 22h 46

Planalto teme que desembarque do PMDB estimule outros partidos a também abandonar o governo Dilma Rousseff

BRASÍLIA - Na véspera do desembarque do PMDB do governo, o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, conduziu uma reunião de líderes do Senado esvaziada no Palácio do Planalto. Apenas cinco senadores compareceram, três deles do PT. Além dos petistas, participaram do encontro Vanessa Grazziotin (PC do B-AM) e Wellington Fagundes (PR-MT).

O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), foi um dos ausentes. Integrantes de outros partidos da base aliada como o PDT, o PP e o PR também não compareceram. O grande temor do governo é que a decisão do PMDB cause um “efeito de manada” e faça com que os outros partidos também optem por abandonar o governo.

Na noite desta segunda-feira, Berzoini também se reuniu com integrantes da bancada do PT no Senado. Como mostrou o Estado, os petistas decidiram adotar uma tática de guerrilha no Congresso para tentar barrar a aprovação ou ao menos postergar ao máximo a votação do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini
O ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini

Na frente política, o Palácio do Planalto já liberou os parlamentares a subirem o tom e mostrar o que chamam de "conspiração" do vice-presidente e presidente do PMDB, Michel Temer, contra o governo Dilma. A ordem é mostrar a ligação entre Temer e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), responsável por deflagrar o processo de impeachment que é alvo de processo de cassação e ainda é réu na Operação Lava Jato.

O partido também vai atuar na economia, desqualificando as propostas do PMDB apresentadas no documento "Uma Ponte para o Futuro", que vem sendo chamado de "plano Temer". Na frente jurídica, os petistas vão tentar questionar no Congresso, por meio de pedidos regimentais, e no Judiciário, com ações e recursos, o rito adotado por Cunha para o afastamento de Dilma.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX