1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo espera recuperar ao menos R$ 6 bi com acordos de leniência

- Atualizado: 21 Fevereiro 2016 | 18h 50

De saída da AGU, Adams quer deixar como legado ao menos um acordo entre o governo e empreiteiras investigadas na Lava Jato

BRASÍLIA - De saída da Advocacia-Geral da União, Luís Inácio Adams trabalha para deixar como legado a conclusão de pelo menos um acordo de leniência entre o governo e as empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato. Segundo ele, o valor de cerca de R$ 6 bilhões apontado pela Petrobrás como o prejuízo causado pelo esquema de corrupção é o montante que a instituição estabeleceu como meta para ser devolvido aos cofres públicos após a finalização de todos os processos.

O advogado-geral, porém, não quer fechar qualquer acordo. Apesar de não dizer qual é o seu alvo, fontes do governo afirmam que Adams trabalha para terminar as negociações com a maior empreiteira do País, a Odebrecht. Outro acerto que está bastante adiantado e pode sair a qualquer momento é o da SBM Offshore. "A ideia é finalizar alguns acordos ainda este mês ou, no máximo, em março. Com isso, nós vamos fixar um padrão, e, uma vez fixado esse padrão, os processos vão começar a fluir com uma dinâmica própria", disse Adams em entrevista ao Estado.

De saída da AGU, Luís Inácio Adams trabalha para deixar como legado a conclusão de pelo menos um acordo de leniência entre o governo e as empreiteiras investigadas pela Lava Jato

De saída da AGU, Luís Inácio Adams trabalha para deixar como legado a conclusão de pelo menos um acordo de leniência entre o governo e as empreiteiras investigadas pela Lava Jato

Em dezembro, a presidente Dilma Rousseff editou uma medida provisória para acelerar os trâmites para acordos desse tipo. Segundo o texto enviado ao Congresso, as empresas que se comprometerem a colaborar com as investigações poderão ser beneficiadas com a redução de pena e até isenção do pagamento de multa. Além disso, poderão manter contratos com o poder público e voltar a disputar licitações.

Adams deixará o cargo no próximo dia 29. Até lá, a presidente já deve ter escolhido o seu sucessor. Em meio ao processo de impeachment, Dilma não quer deixar o posto, responsável pela sua defesa no processo, vago por muito tempo. Primeiro servidor de carreira a chefiar o órgão, Adams tem defendido que a presidente escolha um nome com esse perfil para ser o seu substituto. O preferido de Adams é o ex-secretário-executivo do Ministério da Previdência Marcelo Siqueira. Outros nomes com essas características seriam o do procurador-geral do Banco Central, Isaac Menezes Ferreira, e do subchefe para assuntos jurídicos da Casa Civil, Jorge Messias. 

De fora da carreira, despontam opções como o coordenador jurídico da última campanha da petista, Flávio Caetano, e do secretário Nacional de Justiça, Beto Vasconcelos. Segundo o advogado-geral, todos os nomes que estão colocados são bons quadros, mas a presidente teria concordado que era importante uma indicação mais técnica para a AGU. "Eu acho que a presidente vai escolher aquele que ela tiver mais afinidade e, claro, tiver competência. Eu, evidentemente, prefiro alguém da carreira, isso fortalece a instituição, fortalece o governo, fortalece a aderência da advocacia-geral às ações que o governo tem que realizar, mas essa é decisão que só cabe a ela (Dilma)", afirmou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX