1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo e oposição pressionam ministros por decisão de impeachment

- Atualizado: 14 Março 2016 | 21h 00

Ministro Luís Roberto Barroso recebeu José Eduardo Cardozo, da AGU, nesta segunda-feira e terá visita de deputado petista e de parlamentares opositores nesta terça

BRASÍLIA - Governo e oposição estão pressionando os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) por causa do julgamento do recurso apresentado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para que o tribunal reveja sua decisão em relação ao rito do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O Supremo decide nesta quarta-feira, 16, sobre os embargos de declaração apresentados pela Câmara. Enquanto o governo quer manter o que foi decidido pelo ministro Luís Roberto Barroso e acompanhado pela maioria dos demais ministros, a oposição quer reverter três pontos da decisão: os vetos à chapa alternativa e ao voto secreto para eleição da comissão especial e, por último, a decisão de dar ao Senado poder para rejeitar o processo de impeachment.

No STF, Barroso recebeu nesta segunda-feira,14, o ministro José Eduardo Cardozo. Recém-saído do Ministério da Justiça, Cardozo teria agendado uma visita institucional como novo advogado-geral da União, segundo a assessoria de comunicação. O encontro não constava na agenda do novo chefe da AGU, mas apareceu na agenda de Barroso.

Nesta terça-feira, 15, o ministro do STF, que é o relator do recurso proposto pela Câmara questionando o julgamento, recebe o deputado Wadih Damous (PT-RJ) e, mais tarde, o grupo de parlamentares da oposição. Nos dois casos, as audiências irão tratar do julgamento marcado para quarta-feira.

Os oposicionistas tiveram reforço dentro da própria Corte para fazer visita aos ministros e tentar convencê-los da possibilidade de alterar entendimento sobre a composição da comissão especial do impeachment na Câmara. Um dos ministros, vencido no julgamento, chegou a sugerir a um deputado que procurasse os colegas.

A ala oposicionista do PMDB vai levar ao comitê do impeachment na Câmara, em reunião no final da manhã desta terça-feira, a proposta de abordar os ministros do Supremo que acompanharam Barroso para tentar convencê-los a mudar de voto. “Tenho expectativa em relação a uma revisão dos três aspectos controversos principais”, disse o deputado Carlos Marun (PMDB-MS).

Mas a ideia não é consenso na oposição. “O recado ao Judiciário, ao Congresso e à presidente Dilma está dado pela mobilização nas ruas no domingo”, afirmou o líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM), contrário à força-tarefa de pressão aos ministros.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX