1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo está pronto para discutir o impeachment, diz líder

- Atualizado: 08 Março 2016 | 13h 46

Ainda que sem consenso na base aliada, José Guimarães (PT-CE) deu a entender que a Câmara não precisa aguardar decisão do Supremo sobre o rito do processo

O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE)
O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE)

Brasília – Mesmo sem consenso entre os líderes da base aliada, o governo passou a defender a celeridade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O líder do governo, José Guimarães (PT-CE), disse após reunião com a base e com o ministro Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) que o Planalto está “pronto para discutir esta matéria”. O início dos trabalhos depende da resposta do Supremo Tribunal Federal (STF) ao recurso apresentado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

“O governo, desde o ano passado, tem dito que está pronto para discutir impeachment. Já existe uma decisão mais que clara. Cabe ao presidente (Cunha) colocar a comissão para funcionar. Estamos prontos para discutir esta matéria”, afirmou Guimarães ao deixar a reunião.

Guimarães deu a entender que não é necessário aguardar uma resposta aos embargos de declaração que questionam, entre esses pontos, o veto à chapa avulsa. Eleita no final do ano passado, ela tem viés mais oposicionista. “Para nós, o Supremo já decidiu”, afirmou Guimarães.

A postura do governo não foi consenso na reunião. Há líderes que entendem o encaminhamento como um erro, pois a sociedade pode interpretar mal, entendendo que o governo jogou a toalha ou que a própria base aliada defende o impedimento da presidente.

Na reunião, a avaliação do Planalto foi de que a morosidade do processo é culpa da oposição e do presidente da Câmara, responsável por deflagrar o impeachment. Para os governistas, a oposição arrasta o processo para fazer o governo “sangrar”. “A gente não tem que ter medo do impeachment. Se não tiver 170 votos para barrar o impeachment, não vai ter os 250 votos que precisa para aprovar os projetos necessários para governar”, disse Berzoini, segundo um participante da reunião.

O ministro também afirmou que o objetivo do governo é não aumentar a instabilidade. “A instabilidade política não pode sufocar, emparedar a retomada do crescimento”, afirmou Guimarães, negando haver crise institucional no País. “O País tem governo”, disse.

Criticando a oposição, Guimarães voltou a condenar a estratégia do “ou tudo ou nada”. Apesar de o governo avaliar que a votação de matérias polêmicas, como a que aumenta as despesas obrigatórias da União com a Saúde e a que trata da dívida de Estados e municípios, pode ser arriscada em uma semana dominada pela tensão política, o líder voltou a criticar a estratégia oposicionista de obstruir as votações na Câmara, no Senado e na sessão do Congresso, marcada para esta noite.

Manifestações. Ao tratar das manifestações antigoverno marcadas para o próximo domingo, 13, Guimarães disse que os atos têm que ser encarados com normalidade e disse que o governo quer evitar confrontos. O apelo foi feito também por Berzoini durante a reunião.

Questionado se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não estimulava violência ao conclamar que sua militância fosse às ruas, Guimarães esquivou-se. “Teve violência maior que a que fizeram com o Lula?”, questionou, fazendo alusão a condução coercitiva do petista para prestar depoimento à Polícia Federal, na última sexta-feira, 4, no âmbito da Operação Lava Jato.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX