Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Governo Dilma 'perdeu controle', afirma Aécio sobre a Petrobrás

Senador tucano rebate declarações da presidente, que atacou a falta de investigações na estatal durante o governo FHC, e diz que petista 'zomba' dos brasileiros

Daiene Cardoso e Ricardo Brito, O Estado de S. Paulo

20 Fevereiro 2015 | 14h13

Brasília - O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), disse nesta sexta-feira, 20, ter ficado surpreso com a superficialidade do diagnóstico feito pela presidente Dilma Rousseff em relação ao esquema de desvios envolvendo contratos da Petrobrás. Para o tucano, o governo federal "perdeu o controle" e a petista "zomba" dos brasileiros. Mais cedo, Dilma afirmou que, se os envolvidos tivessem sido investigados e punidos na década de 90, período do governo Fernando Henrique, um funcionário não teria permanecido 20 anos na estatal "praticando atos de corrupção".

"Tem uma dose de desespero porque o governo perdeu o controle sobre o processo, mas as coisas vão surgir. Não há como segurar isso", afirmou Aécio, em entrevista coletiva no Senado com integrantes do PSDB.

O tucano condenou o que considera como institucionalização da corrupção na Petrobrás em nome de um projeto de poder. "A presidente zomba da inteligência dos brasileiros", disse Aécio. "Dilma errou em seu comportamento ético", completou.

Aécio Neves disse que Dilma dá crédito às declarações do ex-gerente de Serviços da Petrobrás Pedro Barusco. O ex-funcionário da estatal admitiu, em delação premiada, que desde o governo FHC há corrupção na estatal e ainda revelou que houve uma transferência de US$ 200 milhões de recursos desviados da Petrobrás para o Partido dos Trabalhadores. O PT nega.

Na avaliação do tucano, o discurso da presidente sofre a influência de seu marqueteiro de campanha, João Santana. Aécio fez questão de ressaltar que Dilma estava em silêncio havia dois meses depois de o governo dela ter tomado medidas que, para ele, contradizem o que a petista dizia na campanha eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.