1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Governistas conseguem o controle de comissão externa para investigar a Petrobrás

Ricardo Della Coletta e Daiene Cardoso - O Estado de S. Paulo

18 Março 2014 | 18h 05

Nomes serão indicados nos próximos dias e expectativa é de que grupo seja instalado até a semana que vem; grupo foi criado pelo bloco dos insatisfeitos como retaliação ao Planalto

Brasília - O governo conseguiu assegurar nesta terça-feira, 18, o controle sobre a comissão externa da Câmara dos Deputados que investigará denúncias de corrupção na Petrobrás. Ela será composta por cinco deputados da base aliada e três da oposição. Dessa forma, os aliados fiéis do Planalto terão por missão tentar neutralizar a estratégia da oposição de desgastar a gestão da presidente Dilma Rousseff com as denúncias de irregularidade na estatal.

Pela regra da Casa, PT, PMDB, PSD e PR devem indicar um nome cada para a comitiva. Da base, apenas PMDB e PP definiram seus escolhidos: Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) e Mário Negromonte (PP-BA). Já os adversários do Planalto devem enviar o ex-líder do PSDB, Carlos Sampaio (SP), e o deputado gaúcho Onyx Lorenzoni (DEM). A última vaga da oposição é disputada pelo Solidariedade e pelo PSB, do pré-candidato a presidente e governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Os pessebistas querem emplacar o deputado Alexandre Roso (RS).

Além dos oito integrantes, o grupo terá como coordenador - representando a Mesa Diretora da Casa - o deputado Maurício Quintella (PR-AL), escolha do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

A criação da Comissão Externa na semana passada foi a primeira retaliação ao governo do chamado "blocão", grupo insatisfeito com a articulação política do Executivo. Os parlamentares vão tentar obter informações de autoridades holandesa sobre um suposto esquema de pagamento de propina da empresa SBM Offshore a funcionários e intermediários da Petrobrás, em negócios envolvendo fretamento de plataformas.

Para defender o governo, o argumento de deputados da base fiéis ao Planalto é que a comissão terá poucos poderes. "Acho que o resultado vai ser pequeno. O que pode ser feito pela comissão externa pode ser feito por uma comissão permanente da Câmara", resume o líder do PP, Eduardo da Fonte (PE). Para a base governista, o grupo de oito parlamentares não pode ir à Holanda apenas para "passear".

A ideia é que nesta quarta as bancadas apresentem os nomes dos indicados e que eles definam o cronograma de atuação da comissão. A oposição quer que antes mesmo de viajar ao país europeu os parlamentares colham informações sobre o caso em órgãos brasileiros, como a Controladoria-Geral da União (CGU), o Ministério Público, o Ministério da Justiça e a própria Petrobrás.