Governador reeleito da PB promete ajustes e equilíbrio nas contas

'Embora os indicadores sejam positivos não podemos descansar um minuto em busca do tempo perdido.Vamos acelerar', disse Coutinho

JANAINA ARAUJO, Especial para O Estado

01 Janeiro 2015 | 19h53

O governador reeleito da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), disse que pretende enfrentar a retração da economia nacional fazendo ajustes, substituindo peças e promovendo mudanças. "Serei implacável com a corrupção e manterei o equilíbrio conquistado nas contas públicas nos últimos quatro anos", disse Coutinho em seu discurso de posse.

Segundo ele, o ano de 2014 foi fechado com o cumprimento rigoroso dos limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal. "Os gastos com a folha de pagamento em 2011 eram de 56,92% e baixamos para 49%. Mas, embora os indicadores sejam positivos, não podemos descansar um minuto em busca do tempo perdido. Vamos acelerar", disse.

Durante o discurso, ele relembrou os primeiros anos de governo. "Nossa comparação será com nossa própria gestão e teremos que ter melhores resultados, errando menos. Vamos continuar com obras, mas com os ajustes necessários", disse.

Coutinho anunciou ainda a criação do Conselho Estadual de Transparência Pública. "Vai permitir que subamos mais um degrau, ético, técnico, de transparência e respeito aos poderes e a ações públicas", disse.

Ele parabenizou a presidente Dilma Rousseff e disse que buscará mais parcerias para enfrentar a violência e as desigualdades sociais. "Pelo terceiro ano consecutivo, a Paraíba consegue reduzir os índices de violência. Está longe do ideal, mas, olhando para todo o País, apenas dois Estados fecharam 2014 com menos homicídios do que em 2013: São Paulo e a Paraíba", disse.

Ricardo Coutinho foi o terceiro governador reeleito na Paraíba. Rompeu a tradição paraibana de manutenção de políticos de famílias tradicionais no poder. Farmacêutico e sindicalista, ele foi vereador e prefeito da capital e deputado estadual.

Mais conteúdo sobre:
Posse 2015 Ricardo Coutinho Paraíba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.