Carlos Moura/STF
Carlos Moura/STF

Gilmar Mendes será o novo relator da ação da PGR contra o voto impresso

Relatoria estava com o ministro Luiz Fux, mas foi redistribuída após ele assumir a presidência do TSE; No ano passado, à frente do tribunal eleitoral, Gilmar criticou a volta do modelo, principalmente por ser muito cara

Marianna Holanda, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2018 | 09h56

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes será o relator da ação da Procuradoria Geral da República contra o voto impresso. Gilmar presidiu o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até semana passada e é crítico da volta do modelo.

++ TSE restringe voto impresso em 2018 a 5% das urnas

++ Impressão de voto vai custar R$ 2,5 bi, diz TSE

O processo estava com o ministro Luiz Fux na Corte, inicialmente, mas ele solicitou redistribuição na segunda-feira, 5, mesmo dia em que foi protocolado. A justificativa é que assume a sucessão de Gilmar na presidência do TSE nesta semana. Na quinta-feira, a ação direta de inconstitucionalidade da PGR foi designada ao ministro Gilmar.

À frente do TSE, Gilmar questionou que a impressão do voto custaria muito aos cofres públicos. O tribunal afirma que a implementação não será imediata, pois estima que o custo da mudança em todas as zonas eleitorais sairia por R$ 2,5 bilhões. No máximo, 5% das urnas terão voto impresso nas eleições de outubro. 

Na ação, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, alegou que a impressão do voto representa risco "à confiabilidade do sistema eleitoral, fragilizando o nível de segurança e eficácia da expressão da soberania nacional por meio do sufrágio universal”. 

O processo estava inicialmente com o ministro Luiz Fux, que se declarou suspeito e pediu redistribuição do caso. A justificativa do ministro foi a de que assumiria a presidência do TSE no dia seguinte, na sucessão de Gilmar. 

Os procedimentos internos no tribunal para a implementação parcial da mudança já estão em andamento. O TSE está realizando um pregão para a compra de 30 mil urnas, além de bobinas, cabines de votação e hardwares. Duas empresas participaram da concorrência e uma foi desclassificadas, a Smartmatic, mas o tribunal ainda está em fase de negociação com a TSC Parcial.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.