1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Gilmar Mendes pede investigação de empresas contratadas pela campanha de Dilma

- Atualizado: 26 Fevereiro 2016 | 16h 47

Ministro acata pedido feito ao Tribunal pelo PSDB, que alega haver indícios de 'irregularidade e ilegalidade na contratação e pagamento' de empresas que atuaram na campanha de DIlma

BRASÍLIA - O ministro Gilmar Mendes, vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), enviou nesta sexta-feira, 26, cópias de documentos e notas fiscais da campanha pela reeleição de Dilma Rousseff à Presidência em 2014 para que órgãos de investigação apurem possíveis irregularidades em contratos da legenda com sete empresas.

O material será emitido para diligências nos Ministério Público Federal e de São Paulo, Secretaria de Fazenda de São Paulo, Secretaria da Receita Federal, Conselho de Administração de Operações Financeiras (Coaf) e Polícia Federal.

Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal

Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal

O encaminhamento do ministro acata um pedido feito ao Tribunal pelo PSDB, que alega haver indícios de “irregularidade e ilegalidade na contratação e pagamento efetuado a empresas que não possuem capacidade operacional para prestar os serviços avençados pela campanha do PT”. Os tucanos também afirmam haver evidências que de as empresas aparentam ser “de fachada” e foram contratadas por “exorbitantes e desproporcionais".

O pedido foi feito dentro da prestação de contas do PT, da qual Mendes é relator. As empresas citadas pelo PSDB são: Mariana Produtos Promocionais Ltda, Rede Seg Gráfica e Editora, Vitor H G de Souza Design Gráfico ME, Marte Ind. e Com. de Artefatos de Papéis Ltda, Francisco Carlos de Souza Eirelli e Door2Door Serviços Ltda e DCO Informática.

Os advogados do PSDB pedem que sejam apurados indícios de que essas empresas, supostamente incapazes de cumprir com o objetivo dos contratos na campanha da presidente Dilma Rousseff, estejam envolvidas em práticas criminosas como lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX