Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Gilmar Mendes pede investigação de empresas contratadas pela campanha de Dilma

Política

Beto Barata/AE

Gilmar Mendes pede investigação de empresas contratadas pela campanha de Dilma

Ministro acata pedido feito ao Tribunal pelo PSDB, que alega haver indícios de 'irregularidade e ilegalidade na contratação e pagamento' de empresas que atuaram na campanha de DIlma

0

Gustavo Aguiar,
O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2016 | 15h43

BRASÍLIA - O ministro Gilmar Mendes, vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), enviou nesta sexta-feira, 26, cópias de documentos e notas fiscais da campanha pela reeleição de Dilma Rousseff à Presidência em 2014 para que órgãos de investigação apurem possíveis irregularidades em contratos da legenda com sete empresas.

O material será emitido para diligências nos Ministério Público Federal e de São Paulo, Secretaria de Fazenda de São Paulo, Secretaria da Receita Federal, Conselho de Administração de Operações Financeiras (Coaf) e Polícia Federal.

O encaminhamento do ministro acata um pedido feito ao Tribunal pelo PSDB, que alega haver indícios de “irregularidade e ilegalidade na contratação e pagamento efetuado a empresas que não possuem capacidade operacional para prestar os serviços avençados pela campanha do PT”. Os tucanos também afirmam haver evidências que de as empresas aparentam ser “de fachada” e foram contratadas por “exorbitantes e desproporcionais".

O pedido foi feito dentro da prestação de contas do PT, da qual Mendes é relator. As empresas citadas pelo PSDB são: Mariana Produtos Promocionais Ltda, Rede Seg Gráfica e Editora, Vitor H G de Souza Design Gráfico ME, Marte Ind. e Com. de Artefatos de Papéis Ltda, Francisco Carlos de Souza Eirelli e Door2Door Serviços Ltda e DCO Informática.

Os advogados do PSDB pedem que sejam apurados indícios de que essas empresas, supostamente incapazes de cumprir com o objetivo dos contratos na campanha da presidente Dilma Rousseff, estejam envolvidas em práticas criminosas como lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.