TSE
TSE

Gilmar Mendes já avisou Carmen Lúcia sobre antecipação do voto

Ministro pretende embarcar de volta para Lisboa já nesta quarta-feira, com a sessão do STF ainda em andamento

Amanda Pupo, Breno Pires, Rafael Moraes Moura e Teo Cury, O Estado de S.Paulo

04 Abril 2018 | 12h54

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), já avisou a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, que vai antecipar o voto na sessão desta quarta-feira, 4, em que será julgado o habeas corpus impetrado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, segundo o Broadcast Político apurou. O petista tenta afastar a prisão e seguir em liberdade até o esgotamento de todos os recursos ou, ao menos, até um posicionamento final do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre o caso do triplex do Guarujá.

+++AO VIVO: STF define futuro de Lula

+++Entenda possíveis cenários com aprovação ou rejeição do habeas corpus de Lula

+++Lula acompanha julgamento com sindicalistas e movimentos sociais

Como o Broadcast Político antecipou na noite desta terça-feira, Gilmar pretende embarcar de volta para Lisboa já nesta quarta-feira, no final da tarde, com a sessão do STF ainda em andamento. Na quinta-feira, 5, está previsto o encerramento na capital portuguesa do VI Fórum Jurídico de Lisboa, evento organizado pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Com a antecipação do voto, Gilmar deve se posicionar sobre os pedidos de Lula logo após a leitura do voto do relator, ministro Edson Fachin. Dessa forma, Gilmar abriria a divergência do julgamento, ao defender a possibilidade de Lula aguardar em liberdade.

Gilmar já disse, ao analisar outros casos, que vê com simpatia a proposta do ministro Dias Toffoli de um investigado aguardar em liberdade até um posicionamento do STJ.

Segundo o Broadcast Político apurou, essa tese deve ser levantada no julgamento desta quarta-feira e pode ganhar força dentro da Corte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.