Divulgação
Divulgação

Gilmar Mendes diz não ver conflito de interesse em viagem a Portugal com Temer

Presidente do TSE conduzirá neste ano o julgamento de ação que pode cassar o mandato do peemedebista; comitiva viajou a Europa para funeral de ex-presidente português, mas ministro não compareceu e alegou crise de labirintite

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

10 Janeiro 2017 | 16h20

BRASÍLIA - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, disse nesta terça-feira, 10, não ver conflito de interesse em fazer parte da comitiva do governo que viajou a Portugal na segunda-feira, 9, para acompanhar a cerimônia fúnebre do ex-presidente português Mário Soares. 

Neste ano, o TSE julgará se a vitoriosa chapa de Dilma Rousseff e Temer nas eleições de 2014 cometeu abuso de poder político e econômico para conquistar a reeleição. Caso o TSE decida cassar a chapa, serão realizadas eleições indiretas para a escolha do novo presidente da República.

"O que é julgado é julgado publicamente. (A viagem na comitiva) Não tem nenhuma influência (no julgamento). No TSE, estamos conversando com todo mundo, organizando seminários, discutindo reforma política, conversando sobre reformas institucionais para o Brasil", disse o ministro ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

Apesar de ter viajado com a comitiva, no avião presidencial, Gilmar não compareceu ao funeral. Segundo ele, o motivo da aus~encia foi uma crise de labirintite. O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, e o ex-presidente José Sarney também viajaram com Temer.

"Eu cheguei muito cedo (a Lisboa), tinha de estar lá (no local da cerimônia) às 7h30, e aí nesse frio e tal, eu não consegui chegar (devido à labirintite)", afirmou Gilmar Mendes à reportagem.

Gilmar disse que foi convidado a integrar a comitiva pelo próprio Temer, na condição de presidente do TSE. "Tenho relações de companheirismo e diálogo com o Michel há mais de 30 anos, como tenho com muitas outras pessoas, de todas as colorações políticas. São relações institucionais", afirmou Gilmar.

Apesar de o presidente Michel Temer já ter embarcado de volta para Brasília, Gilmar decidiu permanecer em Portugual, onde deve ficar por mais dez dias.

No final do ano passado, o ministro embarcou para Lisboa, mas acabou antecipando o retorno a Brasília devido a questões pessoais. Agora, retomará o período de descanso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.