Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Garotinho vai para cela em quartel de Corpo de Bombeiros na zona sul do Rio

Ex-governador foi encaminhado ao local depois de passar por exames no Instituto Médico Legal

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

22 Novembro 2017 | 13h47

RIO - O ex-governador do Rio, Anthony Garotinho (PR), foi levado para uma cela dentro do quartel do Corpo de Bombeiros, no bairro Humaitá, na zona sul do Rio. De acordo com a Defesa Civil, a decisão foi tomada devido a uma determinação da Justiça. Ele foi encaminhado até o local em uma viatura da Polícia Federal, depois de passar por exames no Instituto Médico Legal (IML). 

+++ Leia a denúncia e o pedido de prisão contra Garotinho e Rosinha

+ Garotinho recebeu R$ 3 milhões em contrato fictício com a JBS, diz delator

A Secretaria de Administração Penitenciária do Rio informou que é de responsabilidade da Justiça e da Polícia Federal a escolha do local  onde Garotinho ficaria preso. O presidente estadual do PR tem um imóvel no bairro do Flamengo, que é próximo do Humaitá.

+ Macarrão, feijão e farinha para Cabral, Picciani, Garotinho, Melo, Albertassi 

+ Comparsa de Garotinho intimidava 'colaboradores' com armas, diz denúncia

Os ex-governadores do Rio Anthony Garotinho (PR) e Rosinha Garotinho (PR) e mais sete pessoas foram presos na manhã desta quarta-feira, 22, apontados pelo Ministério Público Eleitoral como suspeitos de crimes de corrupção, concussão, participação em organização criminosa e falsidade na prestação de contas eleitorais. Um dos mandados de prisão é contra o o ex-ministro dos Transportes e presidente nacional do PR, Antônio Carlos Rodrigues.

O empresário também disse aos investigadores que um comparsa de Garotinho, Antônio Carlos Ribeiro da Silva, conhecido como Toninho, seguia e mostrava estar armado para ameaçar os 'colaboradores' do esquema. A Justiça classificou o homem, que é ex-policial, como "o braço armado da organização criminosa". Rodrigues procurou a Polícia Federal para fazer a delação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.