Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Ganhamos a eleição com um discurso e depois tivemos que mudar', admite Lula

Em discurso de mais de uma hora, ex-presidente reconhece que PT enfrenta dificuldades, mas afirma que partido é 'fênix que renasce das cinzas'

Igor Gadelha, Ricardo Galhardo e Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

29 Outubro 2015 | 13h18

Atualizado às 14h38

BRASÍLIA - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reconheceu nesta quinta-feira, 29, que o partido e o governo Dilma Rousseff adotaram uma postura diferente da defendida na campanha eleitoral do ano passado. 

"Tivemos um problema político sério, porque ganhamos a eleição com um discurso e depois das eleições tivemos que mudar o nosso discurso e fazer aquilo que a gente dizia que não ia fazer", afirmou Lula durante um discurso de mais de uma hora na reunião do Diretório Nacional do PT, em Brasília. 

Segundo ele, a construção de uma coalização ampla com vários partidos que, no espectro ideológico são considerados conservadores ou de direita, também contribuiu para prolongar a crise. 

"É com essa gente que temos que governar. E são esses companheiros que têm que participar do governo para a gente construir não só a nossa governança, mas a nossa maioria dentro do Congresso", afirmou o ex-presidente, reconhecendo que o "ponto ideal" seria ter ganhado as eleições apenas com partidos de esquerda, "só com companheiros que pensam igual a gente".

O ex-presidente também reconheceu que o PT não vive seu melhor momento, mas procurou demonstrar otimismo ao comparar a legenda ao mito da fênix. "Vivemos um momento de um acirrado bombardeio contra o PT e contra os petistas", afirmou. "É preciso que a gente não fique nervoso com isso. Eles sabem que esse partido, sempre que foi colocado em xeque, reagiu como se fosse uma fênix, ressurgiu das cinzas mais forte do que estava antes de qualquer crise", afirmou.

Na avaliação do ex-presidente, o legado de sua administração foi o mais "profícuo" deixado por um governo na história do Brasil. Lula reconheceu que "fizemos coisas erradas", mas disse que, quando se coloca na balança os erros e acertos, nota-se que "nenhum partido trouxe mais benefícios para a sociedade do que o PT". 

Ajuste fiscal. Lula defendeu ainda que a "prioridade zero" do partido no Congresso Nacional deve ser criar condições para aprovar as medidas do ajuste fiscal enviadas pelo governo. Para ele, sem a conclusão do ajuste, o Brasil continuará na confusão "política e de credibilidade". A prioridade seguinte, afirmou, é combater os pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff. 

"A prioridade zero neste País é criar condições para aprovar as medidas que a presidente Dilma mandou para o Congresso, para que se encerre definitivamente essa ideia", afirmou Lula, durante discurso de mais de uma hora de duração. Para ele, "não podemos ficar mais de seis meses discutindo o ajuste". "Não podemos passar mais de seis meses esperando para discutir a CPMF. Nos temos é que começar a votar amanhã se fosse o caso", afirmou. Segundo ele, o ajuste fiscal deve ser prioridade antes de qualquer tentativa de derrubar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o impeachment. 

"Porque tudo que interessa à oposição é que a gente arrume uns 500 pretextos para a gente discutir qualquer assunto e não discutir o que interessa, que é, na verdade, aprovar as coisas que a Dilma mandou para o Congresso", afirmou. Segundo ele, é necessário medir a importância de cada ação, porque o tempo no governo "urge", "acompanhamos pesquisas de opinião"

"Precisamos urgentemente começar a recuperar o potencial que nossa presidenta já teve", disse. De acordo com Lula, o partido deve definir sua pauta com os compromissos que assumiu durante a campanha. "Meu conselho para Dilma é não ler manchete de jornal", afirmou. Aprovado o ajuste, o ex-presidente afirmou que "podemos ficar livres para discutir outros assuntos". 

Defesa. O ex-presidente saiu em defesa do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, durante discurso de mais de uma hora em reunião do Diretório Nacional do PT, nesta quinta-feira. O petista afirmou que as propostas de ajuste fiscal já estavam prontas antes mesmo de Levy tomar posse. 

"Tem gente que fala 'Fora Levy' com a mesma facilidade que gritava 'Fora FMI', e não é a mesma coisa. O programa de ajuste já estava feito antes do Levy", afirmou Lula. O ex-presidente ainda brincou: "alguns gritam Levy, mas já ouvi fora Palocci (ex-ministro da Fazenda) e até fora Fred (atacante do Fluminense) depois de perder o gol". 

Lula destacou que ninguém quer arrumar a economia "mais rápido" do que a presidente Dilma Rousseff. Isso porque, segundo ele, a petista sabe que essa é a "única condição" de o PT recuperar o prestígio que já teve. De acordo com ele, Dilma, mais do que ninguém, também quer reduzir a taxa básica de juros (Selic). 

O ex-presidente ponderou, contudo, que a redução dos juros não é algo tão simples. Ele lembrou que, apesar de a Selic estar atualmente em 14,5% ao ano, os juros futuros estão em 17%. "Isso significa que não há confiança de que a taxa de juros vá reduzir a inflação. Não há consenso de que a economia vá ser recuperada", disse.

O petista lembrou que a atual crise econômica é decorrente, em parte da crise econômica internacional maior do que previsto, e, por outro lado, dos subsídios a programas importantes concedidos pelo governo. Após o governo ter gastado mais do que arrecada, Lula afirmou que não dá mais para pedir dinheiro para Levy. 

Relacionamento. Lula avaliou também que a relação entre o Executivo e o Congresso teve uma mudança positiva "extraordinária" com a chegada do ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Ricardo Berzoini. O novo ministro assumiu a articulação política no lugar do ex-ministro-chefe da Casa Civil Aloizio Mercadante, que se tornou Ministro da Educação. 

"Com Berzoini, nenhum deputado se queixa mais que não teve conversa com o governo", afirmou. Lula brincou que o atendimento não chega a 100%, mas que o que vale é o "chamego" e o "carinho" "quando não se tem dinheiro para fazer o que se tem que fazer nesse País". O ex-presidente lembrou que Dilma também assumiu pessoalmente essa relação com parlamentares e que, desde então, vem notando uma melhora no ambiente político nos últimos dois meses.

Mais conteúdo sobre:
Brasília Dilma Rousseff PT Eleições 2014

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.