André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Funaro não merece credibilidade, diz Planalto

Em nota, Secretaria de Comunicação da Presidência da República afirmou que as declarações do corretor não são dignas de crédito

Fábio Fabrini e Fabio Serapião, de Brasília, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2017 | 18h33

Em nota divulgada nesta quarta-feira, 13, a Secretaria de Comunicação da Presidência da República afirmou que as declarações do corretor Lúcio Funaro não são dignas de crédito.  “Versões de delator já apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como homem que traiu a confiança da Justiça não merecem nenhuma credibilidade. O criminoso Lúcio Funaro faz afirmações por ‘ouvir dizer’ ou inventa narrativas para escapar de condenação certa e segura”, diz o comunicado.

 

A Presidência contestou a afirmação de que Temer, quando vice-presidente, tramava diariamente com o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) a deposição de Dilma Rousseff. “No caso do impeachment, o delator se arvora estar bem melhor informado do que os jornalistas de vários veículos de comunicação de Brasília, que acompanharam de perto todo o caso e noticiaram acordo fechado por Eduardo Cunha com o governo da ex-presidente Dilma Rousseff, pelo qual ele teria apoio do PT na Comissão de Ética da Câmara dos Deputados. Esses veículos publicaram que, como o PT não cumpriu seu acordo, Cunha deu seguimento ao pedido de impeachment”, argumentou o Planalto.

+ Temer recebeu propina da JBS por atuação na Agricultura, afirma delator

+ Funaro cita entrega de R$ 500 mil para campanha de Skaf a pedido de Temer

A nota diz que a própria ex-presidente acusou Cunha de “vingança”. “Agora, Funaro insinua estar corrigindo os jornais da época, que teriam então informado incorretamente a seus leitores. Ou deve estar, como sempre o fez, mentindo mais uma vez”, conclui a Presidência.

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.